icon Terça-feira, 20 de Agosto de 2019

AGRO & ECONOMIA - A | + A

SAQUE DO FGTS 19.07.2019 | 13h:49

Comércio aprova e trabalhador faz plano

Reprodução

Reprodução

Trabalhadores já fazem planos para uso do recurso do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). Empresários do comércio apoiam a medida do governo federal e afirmam que o recurso pode ajudar na recuperação das vendas. Entidades que representam a construção civil, por outro lado, temem a perda de liquidez do fundo, utilizado na aquisição da casa própria. 

 

Economistas avaliam que a medida “populista” é paliativa e trará resultado temporário à economia. A liberação do saldo das contas ativas e inativas deverá injetar cerca de R$ 42 bilhões na economia.

 

“É um recurso novo que está entrando no mercado que é de suma importância e vai dar uma mexida no comércio e, com certeza, vai aumentar o consumo”, avalia Jonas Alves, presidente da Federação das Associações Comerciais e Empresariais de Mato Grosso (Facmat). 

 

Já os economistas alertam que trata-se de uma medida ‘populista’ que não vai motivar o crescimento da economia brasileira

“Esperamos que venha logo, pois este é em um momento que a economia está estagnada. Nós estamos vivendo esse momento sem perspectiva, a não ser pela reforma da Previdência que está dando um certo ânimo”.

 

Ao contrário do comércio, a construção civil criticou o anúncio. O presidente da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc), Luiz França, destacou que a liberação de R$ 42 bilhões do FGTS seriam suficientes para construir 420 mil moradias populares no país, de R$ 100 mil cada. 

 

A preocupação é que o saque dos recursos reduza a liquidez do fundo para a compra da casa própria e a execução de programa habitacional, já que o recurso custeia os investimentos e reduz a taxa de juros para quem compra. Para o economista Jonil Vital de Souza, a liberação dos recursos do FGTS promoverá apenas um aumento temporário do consumo e não é motivador para a retomada da economia, que carece de medidas reformistas, como a da legislação previdenciária e a tributária para que o governo federal reequilibre as contas públicas. 

 

“É uma medida populista, mas paliativa, que já foi feita antes pelo ex-presidente Temer. Mas, não vai ajudar a fazer a economia crescer. O que vai trazer isso é a geração de empregos. E nesse momento, o mercado de trabalho não está reagindo. Os empresários não estão confiando no novo governo, nem na economia. Só vai reagir quando o governo arrumar as contas públicas e reduzir o deficit fiscal”. 

 

A previsão é que o governo libere até 35% dos recursos das contas ativas do FGTS. Com a injeção de bilionária de recursos na economia, o governo federal estima a crescimento de 0,81% no Produto Interno Bruto (PIB) deste ano, somada aos R$ 19,3 bilhões que serão liberados para o PIS/ Pasep, do ano-base 2018, que começará a ser pago na próxima quarta-feira (25). (Reportagem de Karina Arruda - A Gazeta)

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

CONFIRA TAMBÉM NESTA SEÇÃO:































PROGRAMA TRIBUNA VEJA MAIS

O Bom da Notícia Programa Tribuna - 16/07/2019

INFORME PUBLICITÁRIO


INFORME PUBLICITÁRIO





icon COTAÇÕES MT
Milho Disponível R$/sc 21,70
Algodão R$/@ 90,09
Soja Disponível R$/sc 57,00
Boi a Vista R$/@ 135,00
Fonte: Imea







logo O bom da notícia

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte;

Copyright © 2018 - O Bom da Notícia - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet