icon Terça-feira, 19 de Novembro de 2019

ARTIGOS - A | + A

21.10.2019 | 09h:51

Gordofobia e mulheres

Por: Rosana Leite Antunes

Assessoria/Câmara de Cuiabá

Assessoria/Câmara de Cuiabá

Lembro-me, como se fosse hoje, das frases ditas até metade da década de 80, mais ou menos, quanto ao que era belo fisicamente. Naquela época, em terras brasileiras, a magreza nem de longe era sinônimo de beleza e, muito menos, de saúde. Não se falava em bullying, logo apelidos menos carinhosos surgiam nas escolas.

 

Por aqui era comum: tuiuiú, garça, girafa e por aí afora. Apenas com a chegada da década de 90 a magreza começa a despontar mundialmente como algo a ser seguido e perseguido, principalmente no mundo feminino. 

 

As modelos a desfilar nas passarelas sempre estiveram por lá. Corpos esguios, mas dantes, curvas eram possíveis se ver. Com o passar do tempo para “modelar” não só era necessário ser magra, como magérrima. Curvas? Nossa, sem elas as roupas ficam melhor. Será?! E o absurdo passou a ser tão grande que os parâmetros de beleza passaram a girar em torno da finura. 

 

Ficou comum: “quanto mais magra melhor”. Para se chegar, então, ao extremo foi um pulo. Meninas passaram a desafiar o organismo em busca não do “corpo perfeito”, mas sim, da “magreza perfeita”. Quando a palavra “magra” passou a ser sinônimo de beleza, bastou. Dias atrás foi possível acompanhar as mídias sociais a narrar sobre o corpo atual da atriz Cléo Pires. 

 

A moça, que possui grande beleza física, foi alvo de críticas ásperas por, segundo ela, ter engordado 20 quilos. Por óbvio, olhando a referida atriz, vislumbrase que continua lindíssima, aliás, como sempre esteve. Porém, a mass mídia não perdoou.

 

A classificaram de alguns adjetivos, menos de bonita e saudável. A atriz se submeteu a entrevistas explicativas contando do distúrbio alimentar que enfrentou na adolescência, a bulimia, e que agora fez surgir a compulsão alimentar. Afirmou que não se machucará em torno do corpo buscado incansavelmente pela maioria das mulheres. Afiançou que outrora já sofreu horrores com dietas malucas e remédios para emagrecer, não estando com vontade de manter o corpo “esbelto” de antes. Disse mais, que comerá o que gosta, sem qualquer culpa em ter que “secar” para ficar “bonita”. 

 

O narrado acima parece enganação. Todavia, não o é. As pessoas, principalmente aquelas que possuem exposição pela profissão, se sentem na obrigação de agradar os “olhos” que as veem. Entretanto, conforme acima frisado, há menos de 30 anos a moda “ditada” era outra. As conhecidas como esqueléticas sofriam com a pecha de apáticas e doentes. O caminhar da atualidade vem definindo outras belezas. Agora se treina incessantemente em busca de definição de músculos.

 

A tendência mudou? O que é beleza na atualidade? Pelo visto, o conceituado como beleza é o sofrimento de mulheres. A cada fase da vida existe uma tentativa em agradar o que jamais será agradado. 

 

O resultado tem sido insatisfação e doenças que surgem da psique. Fico com Naomi Wolf, em O Mito da Beleza: “As mulheres sentem culpa com relação à gordura porque reconhecem implicitamente que, sob o domínio do mito, os nossos corpos não pertencem a nós, mas à sociedade. Que a magreza não é uma questão de estética pessoal e que a fome é uma concessão social exigida pela comunidade”.

 

ROSANA LEITE ANTUNES DE BARROS É DEFENSORA PÚBLICA ESTADUAL

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

INFORME PUBLICITÁRIO


INFORME PUBLICITÁRIO





icon COTAÇÕES MT
MILHO DISPONÍVEL R$/sc 23,17
PLUMA DISPONÍVEL R$/@ 74,04
BOI GORDO À VISTA R$/@ 141,05
VACA GORDA À VISTA R$/@ 132,07
PREÇO DO SUÍNO VIVO R$/kg 3,74
SOJA DISPONÍVEL R$/sc 71,82
LEITE R$/l 1,09
Fonte: Imea







logo O bom da notícia

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte;

Copyright © 2018 - O Bom da Notícia - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet