icon Sábado, 19 de Outubro de 2019

POLÍTICA - A | + A

FECHANDO CERCO 08.10.2019 | 13h:09

Depois de vir à tona delação, Diego quer Riva na Câmara para apontar repasses à Emanuel

Por: Marisa Batalha/Rafael Medeiros-O Bom da Notícia

Reprodução/Web

DIEGO GUIMARAES

 

Nesta terça-feira (08), o vereador progressista Diego Guimarães, por meio de requerimento, pediu que a Câmara Municipal de Vereadores de Cuiabá, convoque o ex-presidente da Assembleia Legislativa, José Geraldo Riva, para ser ouvido na CPI do Paletó, que investiga o prefeito emedebista Emanuel Pinheiro.

 

A decisão do vereador Diego Guimarães veio depois de chegar aos mailings de alguns sites em Mato Grosso, documentos da colaboração premiada do ex-deputado José Geraldo Riva, ex-presidente do parlamento estadual, que contém uma suposta lista de propina pagas a deputados. 

 

Documentos que estariam desde o início do ano[maio de 2019] em posse do Ministério Público Estadual, em nível de colaboração do ex-deputado. E ainda sob a análise da procuradora de Justiça, Ana Cristina Bardusco, que chefia no MPE, o Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado [Gaeco].

 

A lista foi fartamente veiculada nesta última segunda-feira (07), nos veículos de comunicação do Estado, apontando gastos milionários nestes 18 anos em que Riva esteve no poder - 1997-2015 -, com a instalação, no Legislativo, de um propinoduto milionário, que teria lhe assegurado a permanência em cargos estratégicos na Mesa Diretora da Assembleia, de presidente da Casa e 1º secretário.

 

Nesta lista constaria repasses a vários deputados de Mato Grosso, dentre eles Pinheiro, nesta época parlamentar -, quando Geraldo Riva disputou o comando da Mesa Diretora do parlamento estadual de 1997 a 1999, depois de 1999 a 2001 e ainda 2001 a 2003. E como forma de assegurar seu voto à Riva e aos seus membros, teriam sido repassados ao atual prefeito de Cuiabá, pelo menos R$ 800 mil.

Isto é grave. Foi Silval, foi o Silvio Corrêa e agora José Geraldo Riva. É importante lembrar que quando Emanuel Pinheiro foi flagrado em video, recebendo dinheiro, Riva comandava a Assembleia Legislativa. Então precisamos chama-lo para que esclareça aos membros da CPI, aos vereadores e a sociedade cuiabana, o que ele sabe sobre aquele fato

 

De acordo com o vereador Diego Guimarães, o requerimento entregue à Comissão é de extrema importância porque poderá explicar o vídeo em que Emanuel Pinheiro é flagrado enchendo os bolsos do paletó de dinheiro, chegando alguns maços a caírem no chão. Sobretudo, porque este seria o terceiro agente político a nominar repasses de propina à Pinheiro.

 

"Isto é grave. Foi Silval, foi o Silvio Corrêa e agora José Geraldo Riva. É importante lembrar que quando Emanuel Pinheiro foi flagrado em video recebendo dinheiro, Riva comandava a Assembleia Legislativa. Então precisamos chama-lo para que esclareça aos membros da CPI, aos vereadores e a sociedade cuiabana, o que ele sabe sobre aquele fato".

 

O pedido do parlamentar municipal se deve à volta da investigação na Casa de Leis, da Comissão que investiga o prefeito cuiabano. A CPI nasceu após viralizar nas redes sociais um vídeo em que Emanuel aparece, na época deputado estadual, sendo flagrado recebendo maços de dinheiro, em forma de propina, do ex-chefe de gabinete do ex-governador Silval Barbosa, Silvio Correa. O prefeito emedebista também foi formalmente citado pelo ex-governador Silval Barbosa - em sua delação premiada e ainda na época da instalação da CPI do Paletó -, de estar entre os deputados que recebiam 'mensalinho', como forma de não investigar os desvios milionários, comandados pelo chefe do Executivo estadual, que eram realizados nas obras da Copa em 2014.

 

O vereador progressista Diego Guimarães também é o responsável pela volta da CPI à Casa. Ele ingressou com ação judicial no ano passado, alegando que os vereadores da base do prefeito, Mario Nadaf (PV), membro da CPI, e Adevair Cabral (PSDB), relator, teriam realizado uma manobra para beneficiar Pinheiro e implodir a investigação. E foi atendido em seu mandado no dia 23 de agosto deste ano, pelo juiz João Thiago de França Guerra, da 4ª Vara Especializada da Fazenda Pública de Cuiabá.

 

Nadaf e Cabral foram substituídos pelo vereador social democrata, Toninho de Souza, como relator da CPI do Paletó e como membro, o parlamentar municipal sargento Joelson (PSC). Continuando na presidência da Comissão, seu autor na Casa de Leis no final de 2017, o vereador Msrcelo Bussiki (PSB).

 

Em conversa com o site Logo site Diego ressaltou que não tem dúvida que Riva poderá trazer informações relevantes à CPI, sobretudo, no sentido de esclarecer "a origem do dinheiro e o porque Emanuel Pinheiro estaria no gabinete de Sílvio recebendo aquele dinheiro e colocando-o em seu paletó".

 

"Apresentamos hoje o requerimento e esperamos que os membros responsaveis pela CPI acolham este pedido, pois foi noticiado nesta última segunda, em Cuiabá, fatos importantes contidos na delação de Riva. Então não podemos fingir que nada aconteceu. É nosso dever investigar e por isso fizemos este requermimento".

 

Diego ainda assinalou que seu pedido foi entregues e que, agora, só se os membros que compõem a Comissão não quiserem investigar. Asseverando que o ex-presidente da Assembleia precisa prestar esclarecimentos. E que, sobretudo, tem a certeza que o ex-presidente da Casa de Leis estadual tem muito colaborar como estaria, atualmente, fazendo com o Ministério Público, no âmbito cível e criminal.

 

Revelando ainda que teria conversado com o presidente da Comissão, o vereador Marcelo Bussiki e que o parlamentar teria se mostrado favorável à ida de Riva à Câmara.

 

"Ele [Riva] pode colaborar aqui no âmbito político e administrativo, sobre fatos que permeiam aquele vídeo em que o prefeito recebe o dinheiro e coloca em seu paletó. Agora resta o vereador Toninho de Souza, relator da CPI e o sargento Joelson [membro] se manifestarem, igualmente favoráveis para que o ex-deputado preste esclarecimento à Câmara Municipal", ainda revelou Guimarães.

 

A delação de Riva caiu como uma bomba no meio político por envolver agentes públicos, como alguns deputados que conseguiram assegurar sua volta ao Legislativo estadual nas últimas eleições. A instalação deste suposto esquema de propina desvela as artimanhas usadas como ferramentas na corrida pela manutenção do poder. Em particular, na Assembleia Legislativa por onde passam todas as pautas dos poderes. Assim, claro, seu comando - em cargos de presidente e 1º secretário -, seriam estratégicos do ponto de vista político e, com a lista, ao visto econômico.

 

O ex-presidente do parlamento estadual chegou a citar 38 membros e ex-membros da Assembleia Legislativa que ao longo de quase 19 anos também teriam recebido R$ 175 milhões em propinas para apoiarem os governos nas gestões de Dante de Oliveira, Blairo Maggi e Silval Barbosa.

 

Clique aqui e veja requerimento em anexo

 

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

ANEXOS

LEIA MAIS SOBRE ESTE ASSUNTO

CONFIRA TAMBÉM NESTA SEÇÃO:































VÍDEOS VEJA MAIS




icon COTAÇÕES MT
VACA GORDA À VISTA R$/@ 132,07
MILHO DISPONÍVEL R$/sc 23,17
BOI GORDO À VISTA R$/@ 141,05
PLUMA DISPONÍVEL R$/@ 74,04
LEITE R$/l 1,09
SOJA DISPONÍVEL R$/sc 71,82
PREÇO DO SUÍNO VIVO R$/kg 3,74
Fonte: Imea







logo O bom da notícia

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte;

Copyright © 2018 - O Bom da Notícia - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet