icon Segunda-feira, 14 de Outubro de 2019

POLÍTICA - A | + A

XADREZ POLÍTICO 30.09.2019 | 16h:25

Gisela deve 'peitar' Emanuel; historiador vê chance de vitória

Por: Marisa Batalha - O Bom da Notícia

(Foto: Glaucia Almeida)

Marisa e Gisela.jpg

 

Com 50.682 votos em Mato Grosso, 33.762 votos em Cuiabá [ficando com a 1ª suplência na Câmara Federal por Mato Grosso], Gisela Simona foi elevada ao posto de candidatíssima na disputa pela Prefeitura de Cuiabá neste sábado (28), pelo Partido Republicano da Ordem Social (Pros).

 

A definição pelo nome da superintendente do Procon ocorreu na convenção municipal na capital no Hotel fazenda Mato Grosso, quando seu nome foi homologado para disputa eleitoral de 2020.

 

De acordo com os membros do diretório estadual, o belíssimo desempenho nas urnas da primeira suplente de deputada federal, em 2018, fez dela o melhor nome da legenda a corrida eleitoral de 2020. A superintendente não tem só o aval dos diretórios da capital e do Estado, mas da própria direção nacional, que vê um interessante capital político de Gisela Simona, que pode resultar em uma vitória da sigla, tendo-a como a cabeça de chapa.

 

Ainda acho cedo para uma posição definitiva para a disputa de 2020, diz Gisela

Gisela, claro, prefere que seja feita a escolha com cautela, já que este é o início de um processo de construção para uma candidatura em 2020. Uma posição de 'cautela' que ela vem tendo há um bom tempo. Aliás, sempre que pode poderando esta questão nas conversas que mantém com jornalistas. "Ainda acho cedo para uma posição definitiva para a disputa".

 

Já o deputado de primeiro mandato e presidente da sigla no Estado, João Batista Pereira de Souza, o partido tem todas as condições de apresentar um nome com viabilidade para concorrer à prefeitura, com chances reais de ganhar a eleição.

 

Na esteira desta análise, com a homologação do nome da suplente de deputada, para uma eventual disputa como cabeça de chapa para a prefeitura da capital, o mestre em história e analista político, Suelme Fernandes, com a intenção de apimentar este debate, com uma eleição que já se avizinha, acredita que a superintendente do Procon é um belíssimo nome para disputar a Prefeitura de Cuiabá.

 

(Foto: Arquivo pessoal)

Suelme fernandes.jpg

 Suelme Fernandes é mestre em História e analista político

Frisando que 'ser politólogo é sempre um exercício de futurologia que não tem nada de racional', mas ainda que seja inexata há, no entanto, dentro das regras gerais e de cenários possíveis, análises que podem se consolidar como, por exemplo, o nome de Gisela. E dentro do que ele classifica de candidatos outsiders - aqueles que se elegeram em 2018, a exemplo da senadora Selma Arruda (hoje no Podemos), o deputado federal, o pesselista Nelson Barbudo e, em nível nacional, o governador Wilson Witzel, do Partido Social Cristão, além do próprio presidente Jair Bolsonaro(PSL) -, ele pergunta, em se tratando da capital mato-grossense, quem poderia ser este outsider cuiabano?

 

Uma pergunta que Suelme adianta e responde, ao explicar que a primeira suplente de deputada federal se encaixa com facilidade no que descreve o dicionário Houaiss, ao contextualizar o que seria um outsider. 

 

Para ele, se no dicionário a resposta seria aquele que não pertence, de fato, a um determinado grupo, a ele ligado pela força da justiça eleitoral, a superintendente do Procon, sob esta discussão seria um belíssimo 'produto eleitoral'. Sob o ponto de vista, que estes outsiders em momentos críticos da conjuntura política, se destacaram por conta da característica de sua personalidade ou estilo político diferente do que é tradicionalmente predominante.

 

"Considero Gisela a grande revelação da política cuiabana em 2018. A expressiva votação adquirida pela deputada federal, que apesar de não ser eleita e tendo disputado por um partido pequeno, com pouquíssimos recursos, angariou 50.682 votos no estado e 33.762 votos na capital".

 

O filho do prefeito cuiabano, Emanuel PInheiro(MDB), o deputado federal Emanuelzinho (PTB), que mesmo sendo um nome novo na política de Mato Grosso, contou com uma estrutura de campanha gigante, sem falar no apoio incondicional do prefeito da capital e quase todos os vereadores da Câmara, e conseguiu 27.376 votos, um pouco mais da metade do total de votos da candidata, na época, do Pros

Ainda - como forma de dar musculatura política à sua tese -, o historiador faz uma comparação, lembrando que só para se ter uma ideia da grandeza desse resultado em Cuiabá da suplente, o filho do prefeito cuiabano, Emanuel PInheiro(MDB), o deputado federal Emanuelzinho (PTB), que mesmo sendo um nome novo na política de Mato Grosso, contou com uma estrutura de campanha gigante, sem falar no apoio incondicional do prefeito da capital e quase todos os vereadores da Câmara, e conseguiu 27.376 votos, um pouco mais da metade do total de votos da candidata, na época.

 

"Inequivocamente, acredito que consenso no meio político, que Gisela saiu das urnas fortalecida e com estatura política e patrimônio eleitoral enormes, capazes de lhe dar sustentação para pleitear um cargo majoritário na capital, como candidata a prefeita ou vice, caso ela queira".

 

Ainda pontuando que é necessário considerar que apesar de nova no meio político e ser uma quase “antipolítica”, Gisela desenvolve um trabalho notável frente o Procon, no atendimento de milhares de pessoas em busca dos direitos do consumidor e por esse motivo tinha nos últimos 10 anos uma razoável presença nos meios televisivos e de mídia espontânea. "Certamente esse recall de imagem e sua prestação de serviços de excelência, pesou no que ela se transformou: em um fenômeno eleitoral".

 

"Acredito que diante dessa eminente polarização entre os grupos políticos tradicionais, se Gisela conseguir manter as bases de seu projeto inicial intacta e não se aliar a partidos e políticos tradicionais, continuar num partido de médio porte como Pros e usar as redes sociais para se comunicar melhor e nichar (falar para determinados nichos) ela pode surpreender nas eleições 2020, transformando seu nome como o fiel da balança, nos processos decisórios".

 

Ainda para o analista, Gisela pode ter crescimento espontâneo e silencioso pois tem algumas características muito peculiares [extremamente interessante sob o olhar do marketing político] que é possuir um projeto inovador, alinhado a um discurso de poder ser a primeira prefeita mulher da história de Cuiabá. 

 

"Isto poderá ter um grande apelo junto às mulheres, no movimentos sociais e, o melhor, a possibilidade de ser a primeira prefeita negra de Cuiabá. Só para rememorar, esta cidade tricentenária surgiu através do trabalho de escravos negros e que ainda hoje tem um grande número de eleitores afrodescendentes. E mais, ela[Gisela] pode se apropriar o que é dela de direito: seu linguajar cuiabano de “tchapa e cruz” malemolente e agradável que se aproxima de gente simples e acolhedora. E por último, tem no currículo o fato de ser advogada e funcionária pública concursada da área dos direitos dos consumidores que é um grande nicho que ela já possui".

 

O historiador também pontua que se Gisela souber construir uma plataforma e discurso político em defesa do funcionalismo público pode ter um valor agregado na sua campanha. Pois em outras eleições foi observada a força desse segmento em Cuiabá "que tem uma gama significativa de funcionários dos três entes públicos e poderes".

 

Assim, para Suelme, se a superintendente do Procon construir um discurso de ruptura com todos que estão aí, na condição de candidata outsider e realizar uma campanha sem grandes tubarões e raposas da política no seu palanque, certamente será uma das candidatas mais prontas a abocanhar o comando do Palácio Alencastro.

 

"Acho ainda que, paralelamente, Gisela precisa melhorar sua perfomance em rede social que julgo ainda insipiente, intensificar as aparições de rua, construir os conceitos de sua comunicação para reforçar seus pontos positivos e poderá se tornar um grande nome na disputa".

 

Mandando um recado ao incrédulos que acreditam apenas na força do dinheiro nas campanhas, para que não se esqueça do fenômeno Procurador Mauro do grupo de lambadão, que por varias eleições liderou as pesquisas para prefeito de Cuiabá, sem estrutura, sem tempo de TV e isolado. " Em 2016 ameaçou até um segundo turno. E ao meu ver o procurador tinha bem menos traquejo e maturidade política que Gisela Simona, que também pode captar os expressivos votos de protesto e supreendentemente até ir para um segundo turno e até ser um fenômeno eleitoral em 2020 como Outsider", finaliza.

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

CONFIRA TAMBÉM NESTA SEÇÃO:































VÍDEOS VEJA MAIS




icon COTAÇÕES MT
BOI GORDO À VISTA R$/@ 141,05
SOJA DISPONÍVEL R$/sc 71,82
MILHO DISPONÍVEL R$/sc 23,17
VACA GORDA À VISTA R$/@ 132,07
LEITE R$/l 1,09
PLUMA DISPONÍVEL R$/@ 74,04
PREÇO DO SUÍNO VIVO R$/kg 3,74
Fonte: Imea







logo O bom da notícia

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte;

Copyright © 2018 - O Bom da Notícia - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet