icon Terça-feira, 26 de Março de 2019

POLÍTICA - A | + A

CAIXA 2 E GASTOS EXCESSIVOS 26.02.2019 | 10h:29

Selma não vê novidade em pedido de cassação e segue com agendas

Por: Alexandra Freire - O Bom da Notícia

(Foto: Assessoria)

(Foto: Assessoria)

A senadora Selma Arruda (PSL) não vai se manifestar sobre o pedido de cassação de seu mandato requerido, na tarde dessa segunda (25), pelo Ministério Público Eleitoral, por meio da Procuradoria Regional Eleitoral (PRE). Conforme o órgão, houve arrecadação e gastos ilícitos de recursos e abuso de poder econômico durante a campanha da ex-juíza.

 

Ao Site O Bom da Notícia, a assessoria de imprensa da parlamentar informou que não há nenhuma novidade na ação do Ministério Público Eleitoral e que está tranquila com relação as acusações.

 

“A senadora confia na Justiça e segue tranquila, cumprindo sua agenda de trabalho e compromissos no Senado, normalmente”, diz trecho da nota enviada à reportagem do O Bom da Notícia.

 

Além da perda do mandato, o MP Eleitoral requer ainda a aplicação de sanção de inelegibilidade e, como consequência, que sejam realizadas novas eleições para o preenchimento de uma vaga de senador no Estado.

 

Além disso, o MP Eleitoral também requereu o reconhecimento da arrecadação e gastos ilícitos de recursos, combinados com a prática de abuso de poder econômico. Os requerimentos foram realizados nas alegações finais protocoladas nesta segunda (25) no TRE/MT, em ação de investigação judicial eleitoral.

 

De acordo com a investigação da Procuradoria Regional Eleitoral, integrantes da chapa de Selma Arruda abusaram de poder econômico, assim como praticaram caixa 2 de campanha ao contraírem despesas de natureza tipicamente eleitoral no valor de R$ 1.246 milhão, quitadas com recursos de origem clandestina, que não transitaram regularmente pela conta bancária oficial.

 

Selma Arruda foi eleita pela Coligação "Segue em Frente Mato Grosso", com 678.542 mil votos.  Já Jayme Campos (DEM) ficou com a segunda vaga, com 490.699 votos. Carlos Fávaro (PSD) apareceu em  terceiro  com 434.972 votos.  

 

No entanto, o agropecuarista trava uma batalha para assumir a cadeira de Selma. Isso porque o social-democrata entrou com uma ação que pede  investigação detalhada contra a senadora.

 

Na ação, Fávaro pediu a quebra de sigilo bancário de Selma e de seus suplentes (Gilberto Possamai e Clerie Fabiana) e da agência de publicidade que conduziu sua campanha. Fávaro - na ação - ainda comparou os gastos da magistrada com o do candidato eleito à presidência da República, Jair Bolsonaro (PSL), do seu partido, que declarou R$ 1,7 milhões usados nos dois turnos.

 

Nessa linha, seus advogados acreditam na possiblidade de que ele assuma a vaga de Selma, caso haja a cassação.  Acontece que sua defesa sustenta uma tese de que não há necessidade para novas eleições por não existir vacância para cargo majoritário.

 

 

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

LEIA MAIS SOBRE ESTE ASSUNTO

CONFIRA TAMBÉM NESTA SEÇÃO:





















PROGRAMA TRIBUNA VEJA MAIS

Programa Tribuna (21/03) AO VIVO

INFORME PUBLICITÁRIO


INFORME PUBLICITÁRIO


INFORME PUBLICITÁRIO




icon COTAÇÕES MT
Boi a Vista R$/@ 135,00
Milho Disponível R$/sc 21,70
Algodão R$/@ 90,09
Soja Disponível R$/sc 57,00
Fonte: Imea







logo O bom da notícia

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte;

Copyright © 2018 - O Bom da Notícia - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet