Domingo, 14 de Julho de 2024

AGRO & ECONOMIA Segunda-feira, 22 de Maio de 2023, 17:04 - A | A

Segunda-feira, 22 de Maio de 2023, 17h:04 - A | A

Governo eleva estimativa de crescimento do PIB para 1,9% neste ano

Economia

Ministro da Fazenda, Fernando Haddad, já havia antecipado estimativa
Valter Campanato/Agência Brasil - 04/04/2023

Ministro da Fazenda, Fernando Haddad, já havia antecipado estimativa

O Ministério da Fazenda elevou nesta segunda-feira (22) a estimativa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) para este ano para 1,91%. Em março, o governo havia estimado crescimento de 1,61%. As projeções também apontam para estouro da meta de inflação.

O aumento da estimativa do PIB já havia sido adiantado pelo ministro Fernando Haddad na última semana. Apesar da revisão, a estimativa da Fazenda prevê desaceleração da economia em relação a 2022, quando o PIB teve crescimento de 2,9%.

A previsão do governo é mais otimista que a do mercado. Nesta segunda-feira, o boletim Focus, do Banco Central, revelou que o mercado espera crescimento de 1,2% para o PIB neste ano.

Entre no canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o perfil geral do Portal iG

Em conversa com jornalistas, Haddad disse que a previsão do governo é técnica e que o boletim Focus vai aumentando as projeções ao longo do ano.

"O Focus é uma pesquisa, mas tem muita gente fazendo conta. Nossa equipe é de técnicos de carreira, não tem questão política, eles fazem [a estimativa] com base em projeção técnica. Eu acho que nós estamos mais próximos dos números mais otimistas da economia. Eu penso que vamos ter uma convergência de números ao longo do ano", disse o ministro.

Inflação

Além de elevar a expectativa do PIB, o Ministério da Fazenda também elevou de 5,31% para 5,58% a estimativa do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação oficial, para este ano.

Se o ano fechar com inflação próxima à estimada pelo governo, haverá estouro da meta, que é considerada cumprida se a inflação ficar entre 1,75% e 4,75%. Para reduzir a inflação, o Banco Central mantém a taxa de juros elevada, o que vem gerando conflitos entre a instituição e o governo.

Fonte: Economia