ARTIGOS Segunda-feira, 30 de Dezembro de 2019, 11:46 - A | A

Feminicídio, a cilada

Rosana Leite Antunes

Oromantismo, a tentativa de mudar os agressores, a busca incessante por felicidade, dentre outras situações, pode mascarar um futuro feminicídio. Relembrar casos em que as vítimas estiveram em emboscadas, é mostrar a realidade. No início do ano de 2018, após conhecer um rapaz por rede social e pouco saber da vida dele, determinada jovem decide ir com ele residir. Ela, conhecida pela independência e alegria de viver, já aos 19 anos trabalhava fora e ajudava com os gastos da família.

 

Contam os familiares, amigos e amigas que a vítima vivia de maneira muito contente, e tinha em sua mãe e um dos irmãos os melhores amigos. Pois bem. Com poucos dias de relacionamento, o agressor faz com que ela se mude para a casa dele. Em uma semana de convivência ele a obriga a deixar o emprego que possuía. Narrou o patrão que não queria que ela saísse do trabalho por ser excelente funcionária. No dia do acerto de contas, inexplicavelmente o agressor estava presente tomando a frente de tudo. Ela estava calada, e o empregador estranhou. 

 

A vítima, então, passou viver às expensas do agressor, com uma semana de relacionamento. A mãe e o irmão, foram aos poucos sendo afastados do seu convívio. O irmão buscava ir quando possível a visitar. Todavia, narrou a familiares que a irmã não era mais a mesma, estava com olhar entristecido. A genitora preocupada, tentava procurar a filha pelo celular, tendo descoberto que o aparelho dela havia sido vendido a pedido do novel companheiro, para ajudar na compra de uma motocicleta. A partir de então, a única forma de contato com a vítima deveria ser através do telefone móvel dele. 

 

Todas as conversas passaram a ser acompanhadas por ele. Certo dia a progenitora da vítima, muito preocupada, a após o filho narrar que havia descoberto que o agressor já havia praticado violência doméstica e familiar contra outras namoradas anteriores, pede para conversar com a filha. A vítima demorou a responder ao chamado materno. A mãe envia mensagem dizendo que se a filha não entrasse em contato logo, mandaria a polícia a procurar. Na ocasião da conversa entre elas, é narrado pela mãe da vítima os riscos que está correndo no relacionamento. 

 

Percebeu-se certo nervosismo da vítima. Em uma segunda-feira, pouco menos de um mês de convivência entre a vítima e agressor, o irmão esteve na casa dela. É pedido que ele a busque na próxima quarta pela manhã, pois, iria se separar do agressor. No dia posterior, o agressor manda à genitora da vítima uma fotografia onde a filha aparece ao lado de vários remédios, com o rosto bastante inchado, como se estivesse tentando um suicídio. Na quarta pela manhã, aproximadamente às 8 horas, o irmão vai ao encontro da vítima para a buscar, conforme pedido dois dias anteriores. Tarde demais...Chegando ao destino já encontra viaturas da polícia na respectiva casa. 

 

Estava tudo em alvoroço. Foi informado que a irmã cometera suicídio. Impossível, dizia ele, ela jamais faria isso. Com todas as informações colhidas no inquérito, referido suicídio havia sido forjado. A vítima foi assassinada pelo companheiro com menos de 1 mês de convivência. Quando ela se deu conta de estar vivendo relacionamento abusivo e tentou sair, foi morta estúpida e cruelmente. Os sinais da cilada sempre estiveram evidentes, como em tantas outras.

 

ROSANA LEITE ANTUNES DE BARROS É DEFENSORA PÚBLICA ESTADUAL.

 

Os artigos publicados nesta coluna são de inteira responsabilidade de seus autores. As opiniões neles emitidas não exprimem, necessariamente, o ponto de vista do Portal O Bom da Notícia.

 

 



Imprimir

Comentários