icon Quarta-feira, 16 de Junho de 2021

BRASIL & MUNDO Quinta-feira, 19 de Dezembro de 2019, 07:11 - A | A

Lula compara Brasil de 2020 à Alemanha nazista ao falar sobre "guerra à cultura"

IG Política

homem e mulher olhando para o horizonte arrow-options
Daniel Castelo Branco/O Dia
Ex-presidente falou a público no Circo Voador

O ex-presidente Lula participou de um evento em defesa da cultura no Circo Voador, no Rio de Janeiro , na noite desta quarta-feira. Ao lado da namorada, Janja, e discursando para militantes, artistas e intelectuais, o petista criticou o desmonte da cultura feito pelo governo federal e chegou a comparar o Brasil governado por Bolsonaro à Alemanha de Hitler: "Como na Alemanha nazista, querem destruir o Brasil começando pela cultura", afirmou.

Ao contrário do usual, Lula , preservando sua garganta por recomendações médicas, leu um discurso previamente escrito - o que não o impediu de, eventualmente, assumir o tom enérgico que a sua militância está acostumada a ouvir. "A minha relação com vocês não é eleitoral, é um compromisso de fé", disparou, ao final, sendo ovacionado pelas arquibancadas lotadas do Circo Voador.

Leia também: Lula deixa prisão da Polícia Federal em Curitiba

Em seu discurso, Lula agradeceu à classe artística e intelectual pelo apoio, convocou a luta contra "a ascensão do fascismo no país", prometeu recriar o Ministério da Cultura em um novo governo petista e alertou para a volta da censura - "esse monstro que já julgávamos extintos no nosso país".

O ex-presidente também aproveitou para rebater as críticas pela radicalização de seu discurso: "Não diga que eu saí mais radical da cadeia, diga que eu saí mais consciente", garantiu. Em seguida, disse que, durante seu tempo encarcerado em Curitiba, leu muitos livros sobre racismo e história da África, e que está determinado a combater o "arraigado racismo institucional brasileiro".

Leia também: Lula pergunta por Queiroz e diz que Bolsonaro não deve governar para milicianos 

Lula listou inúmeras medidas e investimentos culturais de seus governos e afirmou que "é através da cultura que o povo brasileiro vai fazer a revolução que esse país precisa". "Fernanda Montenegro, olhando 30 segundos pra uma câmera, fez mais que o Bolsonaro sentado por 30 anos numa cadeira de deputado", disse, arrancando risadas e aplausos dos presentes.

Ele também alegou inocência de todas as acusações e fez fortes críticas a Moro e Dallagnol. "Se tem alguém nesse país capaz de formar quadrilha, é o Dallagnol com a força-tarefa da Lava Jato".

Leia também: Um dia após sair da prisão, Lula chega no ABC Paulista para fazer pronunciamento 

Por fim, homenageou o educador e filósofo Paulo Freire . "Esse país não pode distribuir arma, tem que distribuir livro".

2020

O evento no Circo Voador reuniu também diversas figuras políticas da esquerda carioca, como o deputado federal Marcelo Freixo ( PSOL -RJ) e as deputadas federais Jandira Feghali (PCdoB-RJ) e Benedita da Silva (PT-RJ), que poderão disputar entre si os votos da esquerda para a prefeitura do Rio de Janeiro em 2020. Os três tiveram discursos conciliatórios e de união, chegando a cantar a música "Juízo Final", de composição de Nelson Cavaquinho, juntos.

Além deles, estiveram presentes também a ex-presidente Dilma Rousseff, o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, a presidente do Partido dos Trabalhadores, Gleisi Hoffmann, o ex-ministro da Defesa, Celso Amorim e o ex-senador Lindbergh Farias.

*Estagiário sob supervisão de Thiago Antunes



Fonte: IG Política


Imprimir

Comentários