Quarta-feira, 24 de Julho de 2024

CIDADES Terça-feira, 11 de Junho de 2024, 20:01 - A | A

Terça-feira, 11 de Junho de 2024, 20h:01 - A | A

ABERTO À VISITAÇÃO

Arquivo Público disponibiliza acervos que relatam mais de 300 anos da história de MT

Os interessados em conhecer o espaço documental, visitar a exposição Lugar de Memória e a biblioteca de obras raras podem se dirigir ao prédio que fica aberto de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h

Da Redação do Bom da Notícia com Assessoria

O Arquivo Público de Mato Grosso (APMT) oferece à população um espaço dedicado à história e memórias da região. Ele preserva documentos dos períodos da Colônia, Império e República em Mato Grosso, em 54 mil caixas de documentos distribuídas em 12 salas.

O acervo inclui mais de 40 mil registros fotográficos e 250 mil itens relacionados a imagens. Entre os itens disponíveis, há exemplares de jornais de grande circulação, como O Estado de Mato Grosso, Jornal do Dia, Folha do Estado, A Gazeta e Diário de Cuiabá.

O espaço possui uma biblioteca de obras raras e conta com o recém-inaugurado Espaço Memória, que está abrigando a exposição Lugar de Memória. Também estão disponíveis documentos jurídicos do século 20, notas de cartórios e edições do Diário Oficial de Mato Grosso.

O secretário de Planejamento e Gestão (Seplag), Basílio Bezerra, afirma que o destaque desse prédio começa pela arquitetura no estilo Art Déco. A estrutura passou por uma reforma e, em maio deste ano, aconteceu a sua reinauguração.

"O Governo do Estado investiu R$ 1,4 milhão na restauração desse edifício, o que impactou positivamente na conservação do patrimônio histórico e cultural mato-grossense. As adequações foram feitas para privilegiar tanto a preservação documental quanto a garantia de acessibilidade ao público", ressalta o secretário.

Os interessados podem visitar o prédio localizado no Centro de Cuiabá, na Avenida Getúlio Vargas. O atendimento ao público ocorre de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h.

Para visitas, não é necessário agendamento, exceto para programações especiais ou grupos maiores, como visitas escolares, ou para acessar documentos sensíveis. Nesses casos, o contato pode ser feito antecipadamente por e-mail: [email protected] quanto pelos telefones (65) 3613-1800/1808.

Lugar de Memória

A exposição Lugar de Memória conta a história política do território mato-grossense a partir de quatro aspectos da colonização, das fronteiras e da Guerra ao Paraguai e a própria história do Arquivo Público. As três primeiras temáticas são temporárias, ou seja, serão alternadas e a última fica de modo permanente.

Essa viagem no tempo proporciona uma imersão educativa e informativa sobre o passado político da região. A narrativa utiliza de suportes como biombos, painéis, televisores, projetores e painel interativo. Tudo isso está disponível gratuitamente para a população mato-grossense e visitantes. 

Painel Interativo

O painel interativo do Arquivo Público é uma atração imperdível para os visitantes. Nele, é possível descobrir os pontos-chave da georreferenciação do mapa de 1802, destacando a antiga estrada de terra que ligava as capitanias de Mato Grosso e de Goiás. 

São diferentes pontos territoriais ao longo dessa rota histórica, com informações sobre povoados, vilas, acampamentos e documentos relacionados às localidades. É mais um recurso lúdico para aprender e se informar. 

No digital 

Parte dos documentos fisicamente arquivados também estão disponíveis no sistema Access of Memory (AtoM). São mais de 50 mil documentos digitalizados, que podem ser acessados de qualquer lugar do mundo desde que se tenha conexão com a internet.  

O repertório mais recente levado para o AtoM é o Guerra ao Paraguai. 
 
Para a superintendente do Arquivo Público, Vanda Silva, o digital é importante para dar acesso, contudo não se pode perder a dimensão da importância do acesso a esse espaço onde as pessoas possam viver presencialmente essa experiência.

“Queremos trazer as gerações que estão muito ligadas ao tecnológico para instigar sobre a importância desses espaços enquanto preservação da memória e não apenas da memória física, mas também da memória digital”, declara a superintendente. 

Segundo ela, o Arquivo é uma instituição em movimento. “Ele está ali guardando uma memória que foi produzida, mas está também nos documentos digitais porque está no nosso cotidiano. A ideia quando a gente usa os elementos físicos, tecnológicos, é dizer que a história, a memória, as informações são vivas”, finaliza.