Quarta-feira, 24 de Julho de 2024

CIDADES Sábado, 14 de Outubro de 2023, 08:28 - A | A

Sábado, 14 de Outubro de 2023, 08h:28 - A | A

EM CUIABÁ

Dados apontam equilibrio entre endividamento e capacidade das famílias em adquirir dívidas a prazo

Da Redação do Bom da Notícia com Assessoria

O levantamento que monitora o nível de endividamento e inadimplência do consumidor na capital do estado mostrou resultados positivos no mês de setembro. A elevação de 0,6 ponto percentual sobre o mês de agosto para o índice que acompanha a capacidade que as famílias têm em adquirir dívidas a prazo, totalizou 87,8%, e apresentou uma redução de 1,4 ponto percentual para as famílias com contas em atraso, atingindo apenas 23,7%.

Estes resultados também são melhores que os verificados no mesmo período do ano passado, ficando 13,5 p.p. superior com relação ao endividamento e 5,5 p.p. para aquelas que se encontram inadimplentes. O cartão de crédito segue sendo o principal tipo de dívida, atingindo 86,8% das famílias, seguido de carnês com 22,9% e crédito consignado com 5,3%. Os demais tipos, como financiamentos e cheques, variam entre 0,8% e 4,3%.

Em números absolutos, 179 mil famílias possuem dívidas na capital, sendo que 48 mil estão com contas em atraso. Entre esses últimos, há uma queda de quase 3 mil famílias inadimplentes somente entre agosto e setembro, já em relação ao mesmo mês do ano passado, a queda ultrapassa 10 mil famílias.

O presidente da Fecomércio-MT, José Wenceslau de Souza Júnior, explica o que levou os resultados atuais a demonstrarem aumento no endividamento e queda na inadimplência, o que já vem ocorrendo há alguns meses. “Este cenário está atrelado a um movimento econômico em que as famílias tendem a aumentar seu consumo com base no crédito, ao passo que conseguem quitar suas dívidas, apresentando um panorama positivo para os setores do comércio e serviços”.

Em relação à renda mensal comprometida com dívidas, 17,3% das famílias estão com até 10% da renda familiar presa às contas parceladas, outras 73,1% das famílias afirmaram ter dívidas que variam entre 11% e 50% da renda. Já entre os inadimplentes, 50,2% acreditam que irão pagar parcialmente as contas em atraso e 26,4% disseram que conseguirão pagar totalmente. Outros 23,3% afirmaram que não terão condições de pagar essas contas atrasadas no próximo mês.

Wenceslau Júnior conclui que “a queda significativa de famílias que possuem contas em atraso na capital, o que vem ocorrendo durante 2023, pode aumentar a disponibilidade de crédito em Cuiabá, uma vez que nos próximos meses se intensificam as datas comemorativas consideradas importantes para o comércio e serviços, contribuindo para uma maior movimentação financeira em lojas dos setores”.

Na avaliação do país, 77,4% das famílias se mostram endividadas em setembro, mesmo percentual de agosto de 2023. Os que possuem contas em atraso aumentou de 30,0% no mês anterior para os atuais 30,2%, entre esses, 43,2% disseram que não terão condições pagar dívidas em atraso, seguido de 32,3% que acreditam que irão pagar parcialmente.