Sábado, 20 de Julho de 2024

CIDADES Terça-feira, 21 de Fevereiro de 2023, 16:13 - A | A

Terça-feira, 21 de Fevereiro de 2023, 16h:13 - A | A

DADOS

Desmatamento do Cerrado de MT em 2022 foi 80% ilegal

Da redação do Bom da Notícia com assessoria

Quase 80% do desmatamento do Cerrado em Mato Grosso foi realizado de forma ilegal no ano de 2022. A análise consta no Portal de Inteligência Territorial do Instituto Centro de Vida (ICV), com base em dados do Projeto de Monitoramento do Cerrado (Prodes Cerrado), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

De agosto de 2021 a julho de 2022, o estado registrou 742 km² de desmatamento no bioma. Apesar disso, o dado representa uma redução de 7,6% se comparado ao período anterior, de agosto de 2020 a julho de 2021.

De acordo com a coordenadora do programa de Transparência Ambiental do ICV, Ana Paula Valdiones, apesar da redução, o resultado não significa que o desmatamento deixou de avançar no bioma em Mato Grosso.

“É um bioma importante que é conhecido como caixa d’água do Brasil e abriga nascentes de importantes rios, inclusive, os principais rios do Pantanal. Então é preciso encontrar formas de reduzir drasticamente a destruição desse bioma”, disse.

Em Cocalinho, município que teve a maior concentração de áreas desmatadas no estado, toda a área desmatada do bioma (86 km²) foi ilegal. Já Ribeirão Cascalheira (51,5 km²) e Paranatinga (55,8 km²), municípios que estão em 2º e 3º lugar no ranking do desmatamento, a ilegalidade foi de 94% e 60%, respectivamente.

A maioria dos desflorestamentos (74,3%) é realizada em imóveis rurais inscritos no Cadastro Ambiental Rural (CAR). Ainda, grande parte desse desmatamento ocorre em grandes imóveis rurais que têm áreas acima de 1,5 mil hectares.

Conforme salientou Ana, pelo fato de os imóveis serem registrados, os órgãos ambientais têm acesso aos dados e informações sobre os responsáveis pelas propriedades e, por isso, são capazes de realizar ações de fiscalização e aplicar penalidades cabíveis.

“Além das ações de fiscalização, é importante que os acordos de combate ao desmatamento associado as cadeias da carne e de grãos sejam ampliados para o Cerrado, ajudando a proteger o bioma”, complementou.

Desmatamento nas áreas protegidas

As Terras Indígenas tiveram 20 km² de áreas devastadas mapeadas, sendo que a maior área desmatada foi a Wedezé, do Povo Xavante, em Cocalinho.

Já as Unidades de Conservação de Proteção Integral tiveram 9,2 km² de áreas desmatadas e a maior foi o Refúgio de Vida Silvestre Quelônios do Araguaia.

Brasil

No âmbito nacional, o total desmatado foi de 10.689 km² no mesmo período. O número representa um aumento de 25% na taxa anual de desmatamento do bioma.