Segunda-feira, 20 de Maio de 2024

CIDADES Domingo, 13 de Novembro de 2022, 10:59 - A | A

Domingo, 13 de Novembro de 2022, 10h:59 - A | A

PODCAST DRAG POD

“Não existe nada no espiritismo que condene a homossexualidade", diz estudioso de Kardec

Silvano Costa/Especial para O Bom da Notícia

Em entrevista com a drag queen Nelly Winter, no podcast DragPod, nos estúdios do O Bom da Notícia, o empresário e escritor Leandro Doornelles explicou que não há nenhuma oposição ou rejeição à homossexualidade na visão espírita.

Leandro, que apresenta no Cast do bom o Umanos Literário -, é espírita kardecista. De acordo com ele, não há nos escritos de Alan Kardec qualquer discriminação ou preconceito em relação a orientação sexual dos seres humanos.

"Você nunca vai encontrar em uma codificação kardequiana, muito menos no Pentateuco - que são as cinco obras básicas de Kardec -, qualquer discriminação ou preconceito em relação a homossexualidade. Não há nada de errado nesta condição apresentada na Terra. Muito pelo contrário. É a perfeita constituição da espiritualidade, sendo exercida dentro dos nossos direitos e das nossas individualidades espirituais. E isso Kardec apresenta em todos os estudos que ele nos traz. Não há nenhum item de preconceito ou de repúdio ou que coloque em dúvida a personalidade de quem se apresenta no plano terreno como homossexual, seja homem ou mulher".

O escrito ainda ressaltou que o preconceito contra homossexuais, praticado por certos espíritas, e seguidores de outras religiões, são frutosda ignorância e, sobretudo, a falta de interesse em compreender.

"Há entre os espíritas, como em todas as outras religiões, aqueles que realmente ainda não conseguiram entender esse processo. Os conservadores e, as vezes, eu acho, até os preguiçosos de plantão. Na minha opinião, acho que muito desse conservadorismo é falta de interesse de estudar, de se aproximar da criatura humana e realmente sentir o verdadeiro amor que temos um pelo outro".

Ainda conforme Leandor, na visão espírita o ser humano está na Terra para evoluir, enquanto ser, e que respeitar a orientação sexual é parte desta evolução. 

"Nós nos amamos. Nós somos espíritos que estamos aqui para evoluir. Em certos momentos vamos encontrar pessoas que detestamos, em outros pessoas que amamos. Mas são processos evolutivos. São débitos que eu preciso realmente liquidar nesta encarnação. Seja para questões positivas ou negativas. É aquela questão: tudo que você planta você precisa colher. Causa e efeito".

Leandro realçou a perspectiva do espiritismo de que qualquer experiência humana é válida, pois é parte da ideia do livre arbítrio pregado por Kardec. 

"Então, para o espiritismo, não há na literatura nada que denote preconceito, injúria ou qualquer outro ato que leve a discriminação contra a homossexualidade. O espiritismo trata todos nós como espíritos, tendo experiências humanas. Se estamos tendo experiências humanas, nós podemos ser quem nós desejamos ser pelo livre arbítrio".