Sábado, 18 de Maio de 2024

O BOOM DA NOTÍCIA Terça-feira, 27 de Fevereiro de 2024, 17:52 - A | A

Terça-feira, 27 de Fevereiro de 2024, 17h:52 - A | A

PROJETO DE LEI

Jayme Campos lamenta insegurança e defende valorização de agentes e policiais

Senador mato-grossense ressaltou que a falta de segurança no Brasil consome atualmente quase 6% do PIB nacional

Da Redação do O Bom da Notícia/Com Assessoria

Em busca da valorização e respeito aos agentes de segurança pública, o senador Jayme Campos (União-MT) apresentou projeto de lei para que policiais federais, policiais rodoviários federal, polícias civis, polícias militares e corpos de bombeiros militares, tenham prioridade no momento da devolução do Imposto de Renda. O PL acrescenta a categoria no rol de prioridade definido na 9.250 de 26 de dezembro de 1995.

Mais que uma medida de justiça e reconhecimento, a inclusão dos agentes de segurança como beneficiários da antecipação da restituição do IR, segundo Jayme Campos, representa “um investimento na segurança e no bem-estar da população”. Para ele, uma vez aprovado, o projeto promoverá o fortalecimento da categoria. Atualmente, o benefício abrange idosos e professores.

“É uma questão que deve transcender divergências políticas e ideológicas” – frisou o senador, em pronunciamento nesta terça-feira, 27, da tribuna do Senado, quando falou de sua preocupação em relação ao nível de insegurança que assola o País.

Ao defender o projeto, Jayme Campos destacou que a falta de segurança no Brasil consome atualmente quase 6% do PIB nacional, com custo estimado em R$ 600 bilhões, segundo cálculos do IPEA. Estudo da Organização das Nações Unidas (ONU), o Brasil lidera o ranking mundial de homicídios em números absolutos, seguido pela Nigéria, Índia e México.

Campos lembrou que policiais, bombeiros, agentes penitenciários e guardas frequentemente enfrentam condições de trabalho de alto risco, com jornadas extensas e situações que exigem prontidão e sacrifício pessoal e apelou aos demais senadores pela aprovação da matéria como “mensagem nítida de que o Brasil reconhece, valoriza e apoia seus profissionais de segurança”.