Quarta-feira, 12 de Junho de 2024

O BOOM DA NOTÍCIA Terça-feira, 20 de Outubro de 2020, 11:14 - A | A

Terça-feira, 20 de Outubro de 2020, 11h:14 - A | A

CONGRESSO NACIONAL

Jayme evita punição e defende licença a senador pego com dinheiro na cueca

O Bom da Notícia

O senador democrata Jayme Campos (DEM), presidente do Conselho de Ética do Senado Federal, pode acabar sendo bastante criticado, caso não exija rigor quanto ao afastamento do senador Chico Rodrigues(DEM-RR), pego na semana passada com R$ 33 mil na cueca.

Nesta segunda-feira (19), ao invés de convocar o Conselho para mostrar moralidade da Casa e iniciar o processo de investigação e punição do colega de Congresso, optou em defender que o acusado se licencie por 121 dias para não deixar 'nenhuma dúvida” de que quer esclarecer a verdade' sobre o dinheiro encontrado em sua cueca. E, assim, evitar que o Supremo Tribunal Federal, que o afastou por 90 dias de suas funções, o afaste definitivamente do cargo.

O senador democrata Chico Rodrigues, foi encontrado durante uma operação que cumpriu mandados de busca e apreensão na casa do parlamentar. A operação apura suposto esquema de desvio de recursos públicos. Rodrigues nega as acusações e afirma ainda que o dinheiro serviria para pagar funcionários. Após a operação da semana passada, partidos políticos protocolaram uma representação no Conselho de Ética no Senado com o objetivo de cassar o mandato de Chico Rodrigues.

“Se eu fosse ele [Chico Rodrigues], pediria uma licença por 121 dias para não ter nenhuma dúvida de que ele quer, de fato, esclarecer a verdade”, declarou Jayme Campos com a maior naturalidade e demonstrando que o flagrante de dinheiro na cueca não é tão grave assim. Conforme o presidente do Conselho de Ética, a representação dos partidos contra Chico Rodrigues será encaminhada à Advocacia-Geral do Senado, o que poderá levar meses para se ter uma definição, abafando completamente o caso.

O caso

Na semana passada, o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou o afastamento do senador Chico Rodrigues, mas submeteu a decisão ao plenário do tribunal.

O presidente do STF, Luiz Fux, então, marcou para esta quarta-feira (21) a sessão que discutirá a situação do parlamentar.

A investigação da Polícia Federal e da Controladoria Geral da União (CGU) apura desvios de cerca de R$ 20 milhões em emendas parlamentares destinadas para o combate à pandemia do novo coronavírus em Roraima.

A CGU identificou indícios de sobrepreço e superfaturamento nas contratações feitas pela pasta na compra de itens como Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e testes rápidos de detecção da Covid-19.

De acordo com a investigação, há indícios de que o senador utilizou sua influência política para favorecer empresas privadas ligadas a ele durante os processos licitatórios feitos na pandemia. O esquema, segundo a PF, contou com a participação de políticos, empresários e servidores.