Sábado, 25 de Maio de 2024

POLÍCIA Quarta-feira, 30 de Novembro de 2022, 12:43 - A | A

Quarta-feira, 30 de Novembro de 2022, 12h:43 - A | A

CASO FLORAIS 

Corregedoria vai ouvir delegado e PMs por abuso de autoridade, após invasão à uma casa sem mandado

Luciana Nunes/ O Bom da Notícia

Em entrevista coletiva na manhã desta quarta-feira (30), o delegado-corregedor da Polícia Civil, Marcelo Felisbin, disse que Bruno França Ferreira que invadiu uma casa no Condomínio Florais dos Lagos para ameaçar uma família, será ouvido para ter a conduta da ação avaliada. Igualmente, os policias do Grupo de Operações Especiais (GOE), que estavam no local serão ouvidos.

Só para lembrar, Bruno França, lotado em Sorriso(cidade distante 397 km de Cuiabá), está em estagiário probatório como delegado há somente sete meses.

"Nós estamos trabalhando com os fatos corridos no dia de ontem, inclusive, com registro de boletim de ocorrência. A partir de então, desse boletim, foi instaurado procedimento preliminar para buscar maiores elementos desse fato. Nós vamos avaliar, igualmente, a atuação da equipe do GOE que esteve presente, são servidores de carreira e a gente vai ter que apurar como será essa conduta. Como eles chegaram alí, como agiram no local. Eles estão sendo escutados para terem a conduta avaliada à exemplo do delegado", explicou. 

O corregedor ainda não determinou um prazo exato para a a conclusão desta investigação, ao informar que, em tese, eles têm um prazo de 30 dias, que comumente costuma se estendido. Lembrando que como estamos no fim do ano, isso poderá interferir.

“A gente tem 30 dias para trazer uma resposta sobre isso, mas às vezes acaba se estendendo o prazo. Mas acredito que ainda está muito no início para a gente ter uma resposta desse caso. Sim, ele (o delegado Bruno) deverá ser ouvido, vamos definir se será aqui ou lá em Sorriso onde está lotado”, completou.

O delegado é acusado de abuso de autoridade, ele arrombou a porta de uma residência armado e com dois policiais do GOE. Dentro da casa começou a ameaçar a família. A vítima tenta entender o que ocorre, enquanto a filha chora assustada, mas o delegado indiferente aos prantos da criança, continua as ameças aos gritos. 

A confusão teve início já há algum tempo, após um desentendimento entre o filho da empresária e o enteado do delegado no condomínio Alphaville 1. As duas famílias já se enfrentam na Justiça devido a rusga gerada pelo adolescentes. A família que teve a casa invadida alega que deixou de morar no Alphaville por sofrer ameaças e se mudou para o Florais em busca de paz.

Na segunda-feira (28), o enteado de Bruno França foi até o Florais, e depois de ver a mãe do outro garoto caminhando com o marido, ligou para o padrasto, que foi até o local fazer as ameaças.

O delegado corregedor disse ainda que apura se realmente houve um descumprimento de medida protetiva como o delegado Bruno afirma. "Não a gente, ainda não recebeu essa confirmação,  já fizemos os requerimentos para ter essa confirmação, se de fato houve ou não esse descumprimento da medida protetiva, mas a gente está buscando essa confirmação ainda", acrescentou. 

A ação do delegado foi gravada por câmeras de segurança. Além de ameaçar a família, na delegacia Bruno ainda xingou o advogado Rodrigo Pouso, que representava as vítimas. A Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Mato Grosso (OAB-MT) emitiu nota de repúdio em relação ao caso.

Rodrigo Pouso irá acionar a Justiça contra o policial. E ao site Midianews chegou a garantir que já teria entrado com ação na Corregedoria, e uma notícia crime por abuso de autoridade na esfera cível, de olho, em uma indenização. E ainda com representação contra o delegado na OAB-MT.

"Este delegado causa perigo iminente para a sociedade, tanto que ele me agrediu [verbalmente] na delegacia. Fora de controle! Eu vou tomar todas as medidas cabíveis possíveis. As imagens não negam". 

A ação destemperada do delegado que ainda está sob estágio probatório obrigou a Polícia Civil a informar, por meio de nota, que vai investigar Bruno em um procedimento administrativo interno. "A Corregedoria da Polícia Civil está apurando os fatos e tomará as medidas legais cabíveis ao caso em questão", ao reforçar que a ação de Bruno foi uma decisão exclusiva dele e não da Polícia Civil. (Veja a nota na íntegra abaixo)

Nota da Civil

A Polícia Civil informa que, por meio da Corregedoria Geral da instituição, já tomou as providências apara apuração sobre a conduta do delegado Bruno França Ferreira diante de um episódio registrado na noite de segunda-feira (28.11), em Cuiabá, quando ele se dirigiu à residência de uma mulher que teria descumprido uma medida protetiva em relação a um adolescente, enteado do delegado. A instituição informa que tal ação foi de decisão exclusiva da autoridade policial.

A Corregedoria da Polícia Civil está apurando os fatos e tomará as medidas legais cabíveis ao caso em questão.