Quinta-feira, 25 de Julho de 2024

POLÍCIA Quarta-feira, 12 de Junho de 2024, 08:06 - A | A

Quarta-feira, 12 de Junho de 2024, 08h:06 - A | A

OPERAÇÃO REBOQUE

PF investiga furtos de cargas e peças de veículos acidentados em Mato Grosso

O Bom da Notícia/ com assessoria

 A Polícia Federal, com o apoio da Corregedoria da Polícia Rodoviária Federal em Mato Grosso, deflagrou nesta quarta-feira (12/6), em Alto Araguaia/MT e Santa Rita do Araguaia/GO, a Operação Reboque, com o objetivo de reprimir um esquema de furto de cargas e peças de veículos acidentados em Mato Grosso.

Estão sendo cumpridos oito mandados de busca e apreensão, expedidos pela 1ª Vara Federal – Subseção Judiciária de Rondonópolis/MT.

A PF busca com a ação estancar a atuação da associação criminosa, com indícios de envolvimento de um agente público responsável por atos de fiscalização nas rodovias federais.

As investigações tiveram início em 2021, com o compartilhamento de informações pela Corregedoria da PRF. Os levantamentos apontam que o esquema visava a cargas e peças de veículos de grande porte. A polícia apurou ainda que propinas eram pagas nas ações de fiscalização na BR-364.

As diligências apontam o envolvimento do servidor público nas ações, em conluio com outros indivíduos da região e empresários. O grupo atuava na subtração dos bens dos caminhões acidentados (cargas e peças, sobretudo pneus), os quais eram guardados em galpões para posterior comercialização no mercado ilícito, promovendo o enriquecimento do grupo criminoso.

A Polícia Federal trabalha com a hipótese de cometimento dos crimes de corrupção ativa e passiva, advocacia administrativa, peculato, furto e associação criminosa, cujas penas ultrapassam 20 anos de reclusão.

Os indícios de ilícitos funcionais serão apurados pela Corregedoria da Polícia Rodoviária Federal em Mato Grosso, a qual tomará as providências necessárias no âmbito disciplinar.

Não há indícios de envolvimento de outros agentes públicos, além do agente já investigado.

 O nome da operação faz alusão ao modus operandi da organização criminosa, que se utilizava de caminhões-reboque para o furto de mercadorias e peças de caminhões acidentados nas rodovias.