Quarta-feira, 17 de Julho de 2024

POLÍTICA NACIONAL Segunda-feira, 26 de Junho de 2023, 16:33 - A | A

Segunda-feira, 26 de Junho de 2023, 16h:33 - A | A

Haddad pressionou PT para votar contra Plano Diretor em SP

Política Nacional

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad
MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, pressionou vereadores do PT para votar contra as mudanças no Plano Diretor na Câmara dos Vereadores de São Paulo. Para o ministro, o texto desidrata a proposta original aprovada em 2014, quando era prefeito da capital paulista.

Fontes relataram ao iG que Haddad entrou em contato com lideranças do partido em São Paulo para pedir os votos contrários. Entretanto, o ministro recebeu que a bancada está rachada, em sinalização pela disputa pela prefeitura em 2024.

Na linha de frente desta disputa está a família Tatto, que quer colocar um candidato próprio do PT na disputa pelo Executivo paulistano. Entretanto, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) já avisou que apoiará Guilherme Boulos (PSOL).

Na visão dos vereadores, o racha na bancada é uma sinalização à cúpula nacional do partido sobre a aceitação da decisão de Lula. Os irmãos Jair e Arselino Tatto devem puxar a fila de votos favoráveis a Nunes. O líder do PT na Câmara, Sanival Moura, e os vereadores Alessandro Guedes e Manoel Del Rio também tendem a seguir a família Tatto.

Já Luna Zarattini, Hélio Rodrigues e João Ananias votarão contra as alterações na proposta.

Conversa com o relator

Fernando Haddad chegou a conversar com o vereador Rodrigo Goulart (PSD), responsável pela relatoria da matéria na Câmara dos Vereadores. Segundo Goulart, a conversa foi positiva, mas ponderou não haver acordo com o ministro da Fazenda.

“Acabamos conversando, ele colocou os pontos dele, então assim como todo o cidadão teve a possibilidade de participar. Nós recebemos, não orientações, mas as contribuições que ele colocou para mim ao telefone e foi tudo avaliado que estaria apresentado o segundo substitutivo”, afirmou Goulart.

“Não houve nenhum, não houve nenhuma combinação. Ele apresentou as propostas dele e eu fiquei de analisar, como nós analisamos. Inclusive essa conversa que eu estava tendo era com uma parte da bancada do PT e que presenciaram essa conversa por telefone”, disse.

Negociações finais

Nos últimos dias, Goulart fez alterações em pontos sensíveis no texto, como o aumento do eixo de transporte para a construção de edifícios. A metragem caiu de 1km para 700 metros de estações de metrô e fixou em 400 metros para terminais de ônibus.

Entretanto, o relator incluiu um artigo que libera clubes de futebol a não pagarem o Imposto sobre Serviços de seus estádios. O São Paulo Futebol Clube (Morumbi), Palmeiras (Allianz Parque) e Corinthians (Parque São Jorge e Neoquímica Arena).

A ideia ainda está em discussão pelos vereadores e deve haver emendas para suprimir esse trecho do texto.

“O entendimento não há. A gente está discutindo ainda, eu acredito que tenha vereadores aqui que ainda não sabem a totalidade das emendas apresentadas. Mas nós damos ciência na audiência pública que há sim uma das emendas apresentadas. E parece que mais de um vereador apresentou essa emenda pedindo essa supressão”, admitiu Rodrigo Goulart.

Fonte: Política Nacional