Sábado, 25 de Maio de 2024

POLÍTICA NACIONAL Quinta-feira, 17 de Novembro de 2022, 13:32 - A | A

Quinta-feira, 17 de Novembro de 2022, 13h:32 - A | A

Investigado por suposto apoio a Bolsonaro, diretor da PRF pede férias

Política Nacional

Silvinei Vasques, diretor-geral da PRF
Reprodução/Instagram

Silvinei Vasques, diretor-geral da PRF

O diretor-geral da PRF (Polícia Rodoviária Federal), Silvinei Vasques , solicitou férias na última quarta-feira (16). O agente de segurança pública é investigado por suposta ação política para beneficiar o presidente Jair Bolsonaro (PL) durante as eleições 2022 . Ele também é suspeito de ter sido omisso nos atos de bolsonaristas que bloquearam rodovias para pedir intervenção militar.

O órgão não revelou quando Silvinei retornará para as suas funções. Seu cargo será ocupado interinamente por Marco Antônio Territo, que assinou o último relatório de monitoramento das estradas federais entregue ao ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal).

 Na última terça (15), O Ministério Público Federal no Rio de Janeiro solicitou que o diretor da Polícia Rodoviária Federal fosse afastado por 90 dias. O MPF diz que o agente usou o cargo indevidamente e apontou ações durante as eleições 2022 para favorecer o presidente Bolsonaro, como pedido de votos irregularmente.

"A vinculação constante de mensagens e falas em eventos oficiais, entrevista a meio de comunicação e rede social privada, mas aberta ao público em geral, tudo facilmente acessível na internet, sempre associando a própria pessoa do requerido à imagem da instituição PRF e concomitantemente à imagem do Chefe do Poder Executivo federal e candidato a reeleição para o mesmo cargo, denotam a intenção clara de promover, ainda que por subterfúgios ou mal disfarçadas sobreposição de imagens, verdadeira propaganda político-partidária e promoção pessoal de autoridade com fins eleitorais", argumentou o Ministério Público.

A solicitação surgiu por conta da publicação feita por Silvinei nos perfis das redes sociais,  um dia antes da votação do segundo turno. O diretor da PRF pediu aos seus seguidores que votassem no atual presidente da República.

"Não é possível [...] dissociar da narrativa desta inicial a possibilidade de que as condutas do requerido, especialmente na véspera do pleito eleitoral, tenham contribuído sobremodo para o clima de instabilidade e confronto instaurado durante o deslocamento de eleitores no dia do segundo turno das eleições e após a divulgação oficial do resultado pelo TSE", escreveu o MPF.

Polícia Federal investiga blitz da PRF

No dia 29 de outubro, o Tribunal Superior Eleitoral proibiu que órgãos policiais realizassem blitz nas rodovias. O objetivo era facilitar a viagem de eleitores para votar em cidades vizinhas. Porém, no domingo da votação, policiais rodoviários federais pararam ônibus que faziam transporte gratuito, desobedecendo a ordem do TSE.

O ministro Alexandre de Moraes exigiu explicações de Silvinei. O diretor alegou que a fiscalização aconteceu por questões técnicas dos veículos, como condições de pneus e regularidade dos documentos. Porém, ele é investigado por possível motivação política para ordenar as ações.

Vasques tem sido investigado também por suposta omissão nos bloqueios ilegais em estradas. Diversas rodovias foram fechadas por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PL) após a vitória de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nas eleições.

Quem é Silvinei Vasques

Silvinei Vasques é inspetor da Polícia Rodoviária Federal desde 1995 e já exerceu atividades de gerência e comando em áreas como a Superintendência nos Estados de Santa Catarina e Rio de Janeiro e também atuou como Coordenador-Geral de Operações.

Vasques é dono de um currículo extenso com diversas graduações e tem ligações com o PSL de Santa Catarina . Em apenas um ano, entre 2007 e 2008, o servidor ocupou dois cargos de confiança na prefeitura do município de São José, quarta cidade mais populosa do estado, durante a adminstração do então prefeito  Elias Fernando Melquíades (PSL) . Foi Secretário Municipal de Segurança Pública e depois comandou a pasta dos Transportes.

Silvinei Vasques é dono de um currículo bastante extenso, segundo informações do site do Governo Federal.  É graduado em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Santa Catarina, em Direito pela Universidade do Vale do Itajaí, em Segurança Pública pela Universidade do Sul de Santa Catarina, e em Administração de Empresas pela Universidade Estadual de Santa Catarina e especializado em Gestão Organizacional pelo Centro Universitário de Maringá, Mestre em Administração pela Universidade Uniatlantico, na Espanha e Doutorando em Direito pela Universidade Católica de Santa Fé, na Argentina.

Polêmica

Antes de se envolver com a polêmica com o TSE,  por descumprir a decisão do Ministro Alexandre de Moraes e realizar operações em transporte públicos no nordeste (com volume de 70% a mais que o normal), Vasques também esteve no centro de outra confusão.

O caso está relacionado a uma denúncia de  agressão de um frentista de posto de gasolina. No depoimento à polícia civil de Goiás, a vítima afirma que um agressor [não identificado na equipe de Vasques] o espancou porque ele se recusou a lavar viaturas de PRF e só parou de bater após funcionários do posto gritarem e clamarem para parar.

O trabalhador alegou na justiça do estado de Goiás  ter sido espancado por policiais rodoviários por 'se recusar a lavar as viaturas da PRF' . A ação correu em âmbito estadual até 2012, até a primeira condenação, onde a União foi obrigada a pagar valor fixado em R$ 20 mil à vítima da violência policial.

A União pagou a indenização e cobrou o valor de Silvinei que recorreu então à Justiça de Santa Catarina, estado onde servidor fez carreira na PRF e chegou à superintendência da unidade regional em 2011.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política