Quarta-feira, 29 de Maio de 2024

POLÍTICA NACIONAL Quarta-feira, 09 de Novembro de 2022, 18:35 - A | A

Quarta-feira, 09 de Novembro de 2022, 18h:35 - A | A

Plínio afirma que vai acompanhar de perto uso do dinheiro do Fundo Amazônia

Agência Senado

Em pronunciamento nesta quarta-feira (9), o senador Plínio Valério (PSDB-AM) afirmou que vai acompanhar de perto o uso do dinheiro do Fundo Amazônia, após a Alemanha e a Noruega, passado o processo eleitoral brasileiro, informarem que retomarão as doações ao Brasil.

Ao justificar a sua postura, Plínio lembrou que os recursos não são bem empregados e beneficiaram apenas 167 mil pessoas que vivem na região, num universo de 25 milhões de habitantes.

Esses dados, disse o senador, constam em Nota Técnica do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e se referem ao uso de dinheiro do Fundo Amazônia relativo aos anos de 2008 a 2019.

O senador citou que nesse período foi doado ao fundo US$ 1,28 bilhão. Uma organização não governamental, disse, recebeu US$ 16 milhões para o fortalecimento da gestão territorial e ambiental de terras indígenas. Uma outra, de acordo com ele, recebeu US$ 31,6 milhões para dois projetos em unidades de conservação.

— Não foi falta de dinheiro. É um dinheiro mal empregado. É isso que eu quero acompanhar de perto. Por isso, que eu pedi e estou cobrando ainda a instalação da CPI das ONGs, para investigar essa gente — defendeu.

Apesar de se dizer um crítico do fundo, Plínio reconheceu que a liberação do dinheiro é importante, por se tratar de um investimento não reembolsável em ações de monitoramento, prevenção e combate ao desmatamento e de conservação do uso sustentável dos recursos da região.

O senador ponderou, no entanto, que, além de dinheiro, é preciso ouvir atentamente o que tem a dizer a população da Amazônia.

— Enquanto não ligar para o homem que tá deitado, caído, quedado, humilhado, sem dignidade, não se pode manter uma floresta em pé. Não existe meio ambiente preservado sem você preservar o ser humano. Na Amazônia, o homem da floresta não tem condição de comprar óleo, açúcar e sal, porque não tem renda — lamentou.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte: Agência Senado