Segunda-feira, 20 de Maio de 2024

POLÍTICA NACIONAL Quarta-feira, 09 de Novembro de 2022, 20:02 - A | A

Quarta-feira, 09 de Novembro de 2022, 20h:02 - A | A

PSDB deve ser oposição não sistemática, diz Tasso Jereissati

Política Nacional

Senador Tasso Jereissati
Marcelo Camargo/Agência Brasil - 22/10/2019

Senador Tasso Jereissati

Nesta quarta-feira (9), o senador Tasso Jereissati ( PSDB -PE) afirmou que os tucanos devem ser uma “oposição não sistemática” ao presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O parlamentar, que apoiou a candidatura do petista no segundo turno, disse que políticos do partido precisam ser independentes no Congresso e não estejam em cargos do futuro governo.

“Na minha opinião, nós devemos fazer uma oposição não sistemática, como fizemos no 1º governo do Lula, aprovando vários projetos de interesse dele. O presidente Lula está se propondo a fazer um governo de coalizão que conjugue várias tendências e pensamentos. Então, vamos esperar para ver até que ponto vai a nossa oposição. Na minha opinião, o partido não deve ter cargos nem integrar a base de governo; tem que ficar independente”, falou Jereissati em entrevista ao jornal O Globo.

O senador revelou que conversou com Lula e o petista demonstrou estar aberto para ter a ajuda de outros partidos. O PSDB chegou a ser cogitado para estar ao lado do PT, no entanto, a sigla optou por ser neutro no segundo turno das eleições presidenciais e até o momento  não houve nenhuma conversa sobre os tucanos estarem na transição.

Jereissati culpa PT pelo bolsonarismo

Tucanos históricos resolveram apoiar o PT contra Jair Bolsonaro (PL), mas Jereissati responsabilizou os petistas pelo surgimento da extrema-direita no Brasil.

“Quando o Fernando Henrique assumiu, o PT mais radical veio à tona e cometeu o grande erro, a meu ver, que gerou o Bolsonaro: nos transformar em inimigo número 1 e até nos demonizar. E aí dividiu o país, quando o PT fez o “nós contra eles”. Esse tipo de posicionamento levou ao surgimento de Bolsonaro, que trouxe à tona no país o que não existia — uma extrema-direita organizada”, comentou.

O PSDB viu seu número de parlamentares despencar em 40%, além de ter perdido o governo do estado de São Paulo. Porém, o senador acredita que a sigla conseguirá se reerguer.

“Nessas eleições, vivemos o momento mais baixo em número de parlamentares. Mas elegemos três governadores excepcionais [Eduardo Leite no Rio Grande do Sul; Raquel Lyra em Pernambuco; e Eduardo Riedel no Mato Grosso do Sul]. São jovens, com muito talento e espírito público. É o início de um novo PSDB, com a cara e a mentalidade deles”, comentou.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política