Sábado, 20 de Julho de 2024

POLÍTICA Sexta-feira, 21 de Julho de 2023, 12:51 - A | A

Sexta-feira, 21 de Julho de 2023, 12h:51 - A | A

À DEPUTADA E VEREADORES

Chico 2000 revela ter 'pena de Abílio por suas declarações polêmicas', ao reiterar disputa à prefeitura

Luciana Nunes/Marisa Batalha/O Bom da Notícia

À jornalistas nesta sexta-feira(21), na inauguração da nova estrutura do Mercado do Porto, o presidente da Câmara de Vereadores, Chico 200(PL), disse 'ter muita pena do seu colega de partido, o deputado federal Abílio Brunini, por suas declarações infelizes'.

Primeiro por, supostamente, no dia 11 de julho, na Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que investiga os atos golpistas de 8 de janeiro, Abílio ter sido acusado de pronunciar falas transfóbicas contra a deputada Erika Hilton (PSOL-SP). E depois no último sábado, 15 de julho, em encontro do PL em Várzea Grande, ter chamado os vereadores várzea-grandenses de 'inúteis e que não gostavam de trabalhar'.

Para o presidente da Casa de Leis da capital - que disputa com Abílio, internamente, na legenda, o direito de ser o nome oficial para peitar, em 2024, as eleições pela Prefeitura de Cuiabá -, Abílio estaria desperdiçando a 'oportunidade dada por Deus e pelo povo mato-grossense de se tornar deputado federal e contribuir, de fato, com o estado que o elegeu'.

Ao reiterar que só desistirá da disputa à prefeitura da capital se 'Deus lhe pedir que volte para a casa para descansar. Caso contrário, segue firme em seu propósito'.

"Na verdade a nossa preocupação não é com Abílio, é com Cuiabá. Abílio também é um nome do PL que está aí à disposição para disputar, em 2024, o comando da Prefeitura de Cuiabá. Assim, eu vejo com muita pena o que a Abílio tem feito[ao se referir às suas últimas declarações], pois Abílio é um político jovem que teve a oportunidade dada Deus e pelo povo mato-grossense de se tornar deputado federal. Particularmente, acho que ele deveria aproveitar esse momento de outra forma, contribuindo para o Brasil e com Mato Grosso. Mas, infelizmente, parece que as opções dele têm sido outras e isso não é positivo para ele, não é positivo para Mato Grosso e não é positivo para Cuiabá [...; Quando a disputa pela prefeitura só desisto quando Deus me disser: meu jovem vá para casa descansar, aí eu desisto. Caso contrário eu continuo com meu propósito firme".

Para entender as polêmicas causadas pelo deputado federal Abílio Brunini, uma investigação já foi determinada pelo presidente da CPMI dos atos golpistas de 8 de janeiro, deputado Arthur Maia (União-BA), após falas transfóbicas do parlamentar de Mato Grosso. A ação teria iniciado após Erika afirmar que 'toda sessão o deputado [Brunini] atrapalha os trabalhos da CPMI, causa tumulto' e que assim, 'ela o teria aconselhado a procurar tratar sua carência em outro espaço'. Quando o microfone estava fechado para ele, Brunini teria dito - "Por que, tá precisando de serviço?".

A fala foi ouvida pelo senador Rogério Carvalho (PT) que estava sentado na frente do deputado bolsonarista e teria escutado a frase, chamando-o na ocasião de 'homofóbico'. Igualmente a senadora Soraya Thronicke (Podemos-MS) e outras pessoas mais próximas a Abílio igualmente escutaram. Para alguns congressistas, a frase do deputado mato-grossense foi 'uma insinuação de que ela[Erika] queria se prostituir'. Já Abílio nega e pede rapidez nas apurações porque deverá utilizar o resultado destas investigações, na Justiça, contra aqueles, inclusive, que apontaram transfobia em suas declarações.

Dias mais tarde, em Várzea Grande, durante evento da legenda, Abílio teria dito que os vereadores do município seriam 'inúteis e que não gostavam de trabalhar'.

A declaração, claro, causou profunda polêmica. Em entrevista nesta última terça-feira (18), à Rádio Cultura FM, a vereadora Gisa Barros (UB) - que se sentiu profundamente ofendida com a fala -, chegou a recomendar que Abilio ‘procurasse meios de se equilibrar’, ao lembrar que o deputado bolsonarista vem se tornando motivo de ‘chacota nacional’.

Sobre declarações de Abílio na Câmara Federal

Esta semana, pedido de investigação foi encaminhado pela Procuradoria-Geral Eleitoral (PGE) à Procuradoria-Geral da República (PGR), contra Abilio Brunini por suposta prática de transfobia e por violência política de gênero contra a deputada Erika Hilton (PSOL), após a conduta do liberal durante a  CPMI do 8 de janeiro, em Brasília.

De acordo com a procuradora Raquel Branquinho, a abertura da apuração se justifica com base na classificação de crime de violência política de gênero. Ao ressaltar, contudo, que os fatos dependem de apuração e análise do “sistema audiovisual do local onde se estabeleceram os debates, das câmeras de filmagens, depoimentos de testemunhas, dentre outras diligências cabíveis”.

Com a solicitação, a PGR agora ficará responsável por apurar eventuais desvios de conduta dos parlamentares e investigará o episódio que aconteceu durante a sessão da CPMI, na semana passada, contra Abílio.

Em entrevista a CNN, Abílio Brunini afirmou que ainda não foi notificado sobre a investigação e negou que seja possível comprovar a acusação pelos crimes de violência de gênero e transfobia.