Segunda-feira, 22 de Julho de 2024

POLÍTICA Quinta-feira, 20 de Abril de 2023, 16:54 - A | A

Quinta-feira, 20 de Abril de 2023, 16h:54 - A | A

NOVO RECORDE

Curare 4 é a 15ª operação policial contra a gestão do prefeito de Cuiabá

Da Redação do Bom da Notícia com Assessoria

A Operação Curare 4 deflagrada pela Polícia Federal nesta quinta-feira (20), é a 15ª ação policial feita para investigar suspeitas de esquemas de corrupção na Prefeitura de Cuiabá, sob a gestão Emanuel Pinheiro, que começou em 2017. Grande parte das operações ocorreram na Secretaria Municipal de Saúde.

As operações contra a atual gestão da Prefeitura de Cuiabá tiveram início em 2018, com Sangria I e II, pela Polícia Civil, que apura suspeitas de fraudes em licitações da Saúde. Na segunda fase, o ex-secretário de Saúde, Huark Douglas, o ex-secretário adjunto Flávio Taques e outros envolvidos chegaram a ser presos.

O ano de 2021 teve recorde de operações policiais na Prefeitura, foram sete ações, sendo três da Polícia Federal e as demais da Polícia Civil. Nessas ações outro secretário foi preso, servidores foram afastados dos cargos, incluindo o próprio prefeito Emanuel Pinheiro.

O afastamento de Emanuel ocorreu na Operação Capistrum, que também investiga esquema de corrupção em contratações de funcionários na Saúde de Cuiabá. Nessa ação, a primeira-dama da capital, Márcia Pinheiro, ficou proibida de entrar nas dependências da prefeitura.

Saiba detalhes das operações na Prefeitura de Cuiabá

2018

Sangria I – deflagrada pela Polícia Civil para investigar fraudes em licitações da Saúde. O ex-secretário de Saúde, Huark Douglas, o ex-secretário adjunto Flávio Taques, empresários e médicos foram alvos de busca e apreensão e depois denunciados.
Sangria II – foi deflagrada pela Polícia Civil porque os envolvidos tentaram atrapalhar as investigações da primeira fase. Huark, Flávio e dois médicos foram condenados pela Justiça Federal a 3 anos e 8 meses de prisão em regime aberto.

2020

Overlap I – a Polícia Civil investigou esquemas de corrupção para desviar dinheiro da Secretaria Municipal de Educação. Os ex-secretários Alex Passos e Rafael Cotrim foram envolvidos sob suspeita de desvios de R$ 2 milhões.
Overlap II – na segunda fase da investigação, também foi afastado o ex-procurador geral do Município, Marcus Brito, além dos envolvidos na primeira fase. As apurações apontaram desvio de R$ 1,4 milhão da Educação.
Overpriced I – da Polícia Civil e Ministério Público, que investigam desvio de dinheiro na compra de medicamentos contra a Covid-19, no valor de R$ 715 mil. O então secretário de Saúde, Luiz Pôssas, foi afastado e um empresário também foi envolvido.

2021

Sinal Vermelho – operação conjunta da Polícia Civil e MPE, na investigação que apura desvio de dinheiro para compra de semáforos inteligentes para Cuiabá, no valor de R$ 553 mil. O secretário Antenor Figueiredo virou réu, assim como a empresa Semex S/A.

Overpriced II – segunda fase da operação que investiga superfaturamento na compra de remédios para Covid-19, no valor de R$ 2,1 milhões. Nessa fase, servidores foram afastados dos cargos e três empresas foram envolvidas no processo que está sob investigação.

Curare I – primeira fase da operação da Polícia Federal, que apura esquema de corrupção na Secretaria de Saúde de Cuiabá, com suspeita de desvio de R$ 100 milhões. O então secretário Célio Rodrigues foi afastado e outras 20 pessoas físicas e jurídicas também respondem à ação.

Colusão – deflagrada pela Polícia Federal em setembro daquele ano, também para investigar esquema de fraudes em licitações da Saúde, no valor de R$ 1,9 milhão. Os investigados foram alvos de busca e apreensão na ação.
Curare II (Cupincha) – a Polícia Federal investiga desvios na contratação de leitos para Covid-19, no valor de R$ 100 milhões. Célio Rodrigues e dois empresários foram presos na ação.

Capistrum – da Polícia Civil e MPE, para investigar esquema de contratações irregulares na Secretaria Municipal de Saúde, com suspeita de desvio de R$ 16 milhões. O prefeito, a primeira-dama e outros servidores foram alvos de busca e apreensão e afastados.

Fake News – deflagrada pela Polícia Civil contra o irmão de Emanuel, Popó Pinheiro, o jornalista Alexandre Aprá e servidores da prefeitura, que foram acusados de organização criminosa montada para praticar crimes de calúnia e difamação contra adversários políticos do prefeito.

2022

Chacal – a Polícia Civil investiga esquema de contratação de médicos “fantasmas” na Secretaria de Saúde. Foram cumpridos mandados de busca e apreensão contra servidores da secretaria e do Pronto-Socorro.

Palcoscênico – a Polícia Civil bloqueou contas dos ex-secretários de Gestão, Ozenira Félix, e PGM, Marcus Brito, além de uma ex-adjunta da Atenção Básica, no valor de R$ 730 mil, para investigar esquemas de desvio de dinheiros das Secretarias de Gestão e de Saúde.

Curare III – na sequência das investigações, a Polícia Federal cumpriu mandados de busca e apreensão na Secretaria de Saúde de Cuiabá e Empresa Cuiabana de Saúde, para apurar esquema de desvios de recursos nas pastas, no valor de R$ 7 milhões.

2023

Curare IV – a operação da Polícia Federal cumpriu mandados e de busca e apreensão e apura desvio de R$ 3 milhões na Secretaria de Saúde de Cuiabá. De acordo com a investigação, uma das empresas contratadas pela gestão municipal manteve-se à frente dos serviços públicos mediante pagamento de vantagens indevidas a agentes públicos.