Quarta-feira, 24 de Julho de 2024

POLÍTICA Terça-feira, 28 de Março de 2023, 09:41 - A | A

Terça-feira, 28 de Março de 2023, 09h:41 - A | A

DE OLHO NAS ELEIÇÕES

Demilson admite que o PP está hoje rachado, mas defende oposição ao grupo de Pinheiro em 2024

Luciana Nunes/ O Bom da Notícia

Ao O Bom da Notícia, o vereador Demilson Nogueira revelou que o PP deverá trabalhar as eleições do ano que vem, construindo um grupo forte que se oponha à administração do prefeito Emanuel Pinheiro(MDB).

Ao admitir, porém, que o partido estaria hoje dividido em sua base, em especial em Cuiabá, com parte da sigla apoiando o prefeito como o vereador Luis Cláudio, ex-secretário de Governo, que retomou suas funções na Câmara, como vice-líder da gestão municipal e Marcrean Santos que comanda, atualmente, a Secretaria Municipal de Habitação e Regularização Fundiária na capital.

"O PP está o hoje, literalmente, dividido. Parte da sigla como o vereador Luís Cláudio e o Marcrean, estão na base de sustentação de Emanuel Pinheiro. Ou mesmo o Neri[Nei Geller, ex-deputado federal e presidente do partido em Mato Grosso] que nas eleições passada esteve ligado ao grupo do prefeito. E eu[Demilson] e Paulo Araújo fazendo oposição ao prefeito Emanuel Pinheiro. Mas temos que lembrar que o partido vai passar por um processo de renovação, tanto no diretório estadual, quanto nos municipais. E defendo que o partido seja oposição e busque suas próprias candidaturas".

Nas eleições de 2022, o Partido Progressista (PP), teve um desempenho abaixo do esperado, em particular, em Mato Grosso. E isso vem sendo um dos principais motivos para que o partido faça uma mudança drástica na mudança do comando do PP estadual.

Nas eleições estaduais, o Partido Progressista não teve candidatura na chapa para deputado federal, decisão tomada por Neri Geller, que colocou seu nome na disputa ao Senado Federal, sem sucesso.

"Nós não podemos ficar nesse paradeiro, temos que fazer um planejamento para 2024. Ano que vem já começam os trabalhos para as eleições municipais. Nossas lideranças ainda não sabem o que fazer, mas dentro em breve estaremos nos reunindo e buscando alternativas”, acrescentou. 

Demilson foi servidor público da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, também presidiu o Instituto de Terras de Mato Grosso (Intermat), e é advogado militante. Foi suplente de vereador pela eleições de 2016, com 2.235 pelo partido Progressista. E nas últimas eleições Demilson cravou nas urnas 3.270 votos, o quarto mais votado da capital.

Veja a entrevista completa