Quinta-feira, 20 de Junho de 2024

POLÍTICA Domingo, 19 de Maio de 2024, 11:41 - A | A

Domingo, 19 de Maio de 2024, 11h:41 - A | A

ELEIÇÃO EM CUIABÁ

Deputada agradece Michelly por defender seu nome como vice, mas intenção é ficar na Câmara

Luciana Nunes/ Marisa Batalha/O Bom da Notícia

Ao site Veja Bem, a deputada federal e presidente do diretório do União Brasil, em Cuiabá, Gisela Simona agradeceu  mais uma vez, neste último sábado(18), a lembrança ao seu nome por alguns correligionários, para compor a cabeça de chapa com o presidente da Assembleia Legislativa, Educardo Botalho, na disputa pela Prefeitura de Cuiabá. 

Já há quase um ano em Brasília, na Câmara Federal, e com a disposição de Fàbio Garcia de chefiar a Casa Civil por todo mandato do governador Mauro Mendes(UB), Gisela não esconde sua intenção de permanecer no parlamento até o final de 2026, mesmo seu nome já tendo sido ventilado por algumas vezes para se tornar vice de Botelho no pleito de outubro deste ano. Em especial, esta semana, pela vereadora Michelly Alencar, também da mesma sigla.

"Agradeço mais uma vez a lembrança ao meu nome, para compor como vice de Botelho, mas essa formação não é cogitada internamente, até porque o União Brasil prioriza a indicação de uma pessoa de outro partido para que se feche a coligação. E estas articulações já começam a ser feitas ao entorno das legendas que apoiam a candidatura de Botelho, na busca de um nome de consenso para ocupar a posição de vice".

Para a deputada federal, seu nome veio à tona por conta de pesquisas internas e, em particular, de uma qualitativa, uma vez que este tipo de levantamento propõe uma interpretação mais aprofundada de comportamentos humanos e suas motivações e emoções, assim, perfilando pessoas ideais para um cenário específico. "Meu nome surgiu por conta de pesquisas que foram feitas, sobretudo, por haver a preferência para que a vice do Botelho seja uma mulher, assim na busca de um perfil feminino. Assim, meu nome acabou saindo como um dos preferidos da população. Mas não houve essa discussão, até porque eu e Botelho somos do mesmo partido e, em regra geral, a vice é sempre concedida a outro partido como forma de fortalecer alianças".

"Então, claro, fico feliz pela deferência da vereadora em relação ao meu nome, mas como se sabe, na política a gente tenta abrir espaço, o quanto possível, para a entrada de mais partidos, pois quanto mais vierem nesta composição, melhor fica a soma. Assim, Botelho deve definir por um nome que esteja em outro partido político para que a gente possa agregar aí o maior arco de aliança possível nesta eleição", ainda disse Gisela.

Entenda

Esta semana, a vereadora Michelly Alencar - líder do União Brasil na Câmara de Cuiabá -, validou o nome da deputada federal Gisela Simona como nome ideal para compor o projeto eleitoral do presidente da Assembleia Legislativa, o parlamentar unista, Eduardo Botelho. 

Michelly usa como argumento que muito para além do fato de Gisela Simona ser mulher, muito antes ela é uma presença  forte na ambiência política e representa, com excelência, este espaço de poder, com lugar de fala enquanto mulher e parlamentar. E isto faria toda a diferença. 

“Eu defendo um nome que nem sei se ela quer. Mas gostaria muito de ver Gisela Simona como vice de Botelho. Eu penso que seria uma mulher pronta para fazer discussões políticas com mais profundidade. Uma mulher que defende as suas causas de forma aguerrida e republicana. Tem acesso, tem conhecimento e ainda lembrando que Gisela já disputou a Prefeitura de Cuiabá [em 2020, quando cravou mais de 50 mil votos nas urnas]. Assim, penso que ela seria um excelente nome. Até pela experiência, agora como deputada e até mesmo na presidência do partido em Cuiabá”, disse.

Na visão da vereadora a mulher tem um olhar único na política, o que complementaria a gestão de Eduardo Botelho no comando do Palácio Alencastro.

“Eu jamais iria defender algo contrário sendo uma parlamentar mulher, sabendo a força da mulher ao exercer a política, a visão que ela tem, então eu sempre vou defender que na política tenham homens e mulheres gerindo. Mas entendo, e de forma bastante respeitosa, que um homem por mais que ele entenda as necessidades de uma cidade, o olhar de uma mulher faz a total diferença. Para a gente ter uma gestão plena, uma gestão que olhe com toda a sua plenitude para a população, teria que ter um homem e uma mulher”, acrescentou.

Gisela Simona foi candidata em 2018, ainda pelo Pros, na época, a uma cadeira no parlamento federal, alcançando um expressivo número de votos, mais de 50 mil votos. Em 2020, concorreu à Prefeitura de Cuiabá e terminou em 3º lugar na disputa, conquistando 52.191 votos na capital. E, em 2022, concorreu a uma das oito vagas à Câmara Federal, ficando na suplência e assumindo no dia 7 de julho a vaga do secretário-chefe da Casa Civil, Fábio Garcia, que a jornalistas tên dito que Gisela permanece no mandato e ele na condição de braço-direito do governador Mauro Mendes, em Mato Grosso.