Sábado, 25 de Maio de 2024

POLÍTICA Quarta-feira, 31 de Janeiro de 2024, 08:40 - A | A

Quarta-feira, 31 de Janeiro de 2024, 08h:40 - A | A

SAÚDE

Falta de repasses ameaça funcionamento do Hospital de Câncer em Mato Grosso

Da Redação do O Bom da Notícia com Assessoria

O Conselho Regional de Medicina de Mato Grosso (CRM-MT) discutiu, nesta terça-feira (30), de forma minuciosa, as graves dificuldades financeiras enfrentadas pelo Hospital de Câncer de MT (HCanMT). Originada pelos persistentes atrasos nos repasses por parte da Secretaria Municipal de Saúde de Cuiabá (SMS), a situação coloca o hospital em um estado crítico, com risco iminente de paralisação das atividades por conta da ameaça de falta de oxigênio e cortes de energia elétrica.

Na reunião, conduzida pelo presidente do CRM-MT, Diogo Sampaio, estiveram presentes a Diretoria Médica e o presidente do HCanMT, Laudemi Moreira Nogueira, fortalecendo o compromisso conjunto de enfrentar os desafios atuais. Diante da situação, o CRM-MT decidiu fazer um apelo urgente à sociedade e aos órgãos competentes, cobrando uma mobilização rápida e eficaz, ciente da gravidade da situação. “O compromisso do Conselho em encontrar soluções para auxiliar o Hospital de Câncer a superar essa situação crítica foi reiterado”, destacou Sampaio.

Diretor técnico do hospital, Rafael Sodré relatou que os atrasos nos repasses ocorrem há vários anos e que a unidade tem enfrentado os problemas gerados pela inadimplência, inclusive com a busca por uma decisão da Justiça. “Hoje chegamos no limite do suportável, as dívidas com as empresas de energia, fornecedoras de oxigênio e insumos podem comprometer o reabastecimento do hospital. Os atrasos de pagamentos dos médicos e prestadores de serviço podem interromper as cirurgias, quimioterapias e radioterapias. Com muita responsabilidade procuramos o CRM-MT para nos auxiliar e apoiar nessa luta que não é só nossa, mas de todos os mato-grossenses”.

Além de direcionar a atenção aos médicos que atuam em condições inadequadas, a preocupação do Conselho é com a situação dos pacientes oncológicos. Eles, dependentes desses cuidados, estão agora em risco. “Por isso, também é que a colaboração rápida por parte de todos é crucial, de forma a garantir a continuidade do atendimento a esses pacientes enquanto a doença não evolui”, pontuou o presidente do CRM.

Sampaio enfatizou que os pacientes oncológicos contam com um atendimento multidisciplinar, por conta da diversidade de situações relacionadas à internação. “A situação demanda uma ação imediata para assegurar o bem-estar dos pacientes e manter a integridade do serviço hospitalar diante dos desafios financeiros enfrentados. O CRM-MT, como representante da ética médica, exorta a sociedade a unir esforços para superar essa crise, garantindo que o Hospital de Câncer continue a oferecer o suporte vital aos pacientes em seu momento mais crítico”.