Sexta-feira, 24 de Maio de 2024

POLÍTICA Quarta-feira, 06 de Março de 2024, 09:13 - A | A

Quarta-feira, 06 de Março de 2024, 09h:13 - A | A

VOZ DO BRASIL

Gisela Simona relata PL sobre canais de atendimento à mulheres vítimas de violência

Projeto foi aprovado nesta terça-feira em sessão plenária na Câmara dos Deputados

O Bom da Notícia/ Com Assesssoria

Na noite desta terça-feira (05), em sessão plenária destinada a projetos em prol das mulheres, a deputada Gisela Simona (União) relatou o Projeto de Lei 754/2023, de autoria da deputada Lídice da Mata (PSB-BA), que prevê a destinação de um minuto na “Voz do Brasil” para divulgação de canais de atendimento à mulheres vítimas de violência.

Em uma sociedade marcada pela desigualdade social, o rádio ainda é o principal meio de acesso à comunicação de muitas famílias brasileiras. “Esse projeto é uma importante ação no combate ao feminicídio. Muitas mulheres não sabem como denunciar e se proteger, pois não possuem acesso à informação”, explica Gisela.

Segundo a estatística mais recente, o programa “Voz do Brasil” alcança, aproximadamente, 70 milhões de ouvintes todos os dias. O que reforça a importância de um espaço destinado as mulheres.

Além desse dado, o DataSenado 2023 mostra que atualmente no Brasil, de cada 10 mulheres, 3 já sofreram algum tipo de violência seja física, psicológica, moral, sexual e/ou patrimonial.

“A quantidade de mulheres que sofrem abuso é altíssima e o enfrentamento à violência contra a mulher precisa ser intensificado. Sabemos que a utilização dos celulares para acesso à internet tem crescido nos últimos anos, mas as pesquisas deixam claro que o rádio ainda é o canal mais utilizado, às vezes até mesmo o único, para que muitas famílias brasileiras possam se manter informadas”, destaca a deputada.

Gisela defendeu em sua relatoria que utilizar a “Voz do Brasil” para a divulgação de informações é “uma ferramenta imprescindível que deve ser utilizada e que, certamente, fará uma grande diferença para milhões de mulheres”.

O projeto foi aprovado no plenário da Câmara e segue para apreciação no Senado Federal.