Quarta-feira, 24 de Julho de 2024

POLÍTICA Sábado, 15 de Julho de 2023, 10:27 - A | A

Sábado, 15 de Julho de 2023, 10h:27 - A | A

"FAZENDO BADERNA"

Luis Cláudio diz que atuação de Abilio na Câmara Federal "macula" imagem de MT no Congresso

Evelyn Siqueira/O Bom da Notícia

O vereador Luis Cláudio (PP) afirmou esta semana, durante conversa com jornalistas na Câmara Municipal, que o deputado federal Abilio Brunini (PL) ‘não deveria estar representando o valoroso povo de Mato Grosso’ no Congresso Nacional. 

De acordo com o progressista, a maneira com Brunini atua enquanto parlamentar estaria maculando a imagem dos mato-grossenses. Ao lembrar que a Câmara Federal é um espaço político para grandes pautas e para importantes debates como, por exemplo, a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que investiga os atos de 8 de janeiro. E dentro desta CPMI, sabe-se que o deputado age fazendo ‘baderna’. 

“O parlamento tem que ser provido de pessoas que tenham interesse em resolver problemas da sociedade! O parlamento não é discussão e nem baderna. Nem tampouco, uma volta a quinta série, o parlamento é para discussões sérias! Em Brasília estão se discutindo pautas muito importantes, como a CPMI do dia 8 de janeiro. Mas o modus operandi do deputado acaba manchando o Estado, e a responsabilidade é da população que votou para colocá-lo lá. E ele está fazendo do mesmo jeito que fez há 4 anos aqui. Ou seja, não apresentando nenhum projeto, fazendo baderna, instigando as pessoas, então, é um deputado que não deveria estar representando o valoroso povo de Mato Grosso”, disse. 

Entenda a polêmica envolvendo o deputado 

Durante a sessão desta última terça-feira, 11 de julho, da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que investiga os atos golpistas de 8 de janeiro, o deputado Abilio Brunini (PL-MT) foi acusado de pronunciar falas transfóbicas contra a deputada Erika Hilton (PSOL-SP). Uma investigação foi determinada pelo presidente da comissão, deputado Arthur Maia (União-BA). A ação teria iniciado após Erika afirmar que 'toda sessão o deputado [Brunini] atrapalha os trabalhos da CPMI, causa tumulto' e que assim, 'ela o teria aconselhado a procurar tratar sua carência em outro espaço'.

Quando o microfone estava fechado para ele, Brunini teria dito: "Por que, tá precisando de serviço?". O senador Rogério Carvalho (PT) que mais tarde chamou o comentário do colega de Câmara de homofóbico estava sentado na frente do deputado bolsonarista e teria escutado a frase de Abílio. 

"O seu Abílio foi homofóbico. Fez uma fala homofóbica, quando a companheira estava se manifestando, ele acusou e disse que ela estava oferecendo serviços. Isso é homofobia, é um desrespeito. Peço a vossa excelência que o senhor peça para o deputado se retirar do plenário", disse.

A acusação foi, inclusive, reiterada pela senadora Soraya Thronicke (Podemos-MS) e por outras pessoas mais próximas que, igualmente, escutaram. Para alguns congressistas, a frase do deputado mato-grossense foi 'uma insinuação de que ela[Erika] queria se prostituir'.

À jornalistas, mais tarde, Erika revelou que "o deputado fez uma associação preconceituosa e discriminatória" ao dizer que ela "estava ofertando os seus serviços". "[Essa associação] muito provavelmente deve estar formada no imagético da população tem de travestis e transexuais. O que é criminoso, desrespeitoso, violento, não está dentro do âmbito da CPI e que não tem nenhuma correlação com aquilo que foi dito por mim".

Ao, contudo, admitir que não teria ouvido o ataque do colega e que aguardará a liberação das imagens. Erika é a primeira mulher trans da história a ser eleita deputada federal por São Paulo, o estado mais populoso do país. Ela recebeu mais de 250 mil votos e foi uma das 10 candidaturas mais votadas de São Paulo.

No momento da ação Brunini chegou a rir das acusações. Questionado pelo presidente da CPMI, Arthur Maia (União), negou qualquer tipo de ofensa. A polícia parlamentar vai investigar as filmagens e Brunini poderá ser punido.

Outro lado

Ainda no mesmo dia o deputado mato-grossense negou que tenha feito comentários transfóbicos contra a deputada Erika Hilton. À jornalistas de vários veiculos de comunicação do país  e por meio de suas redes sociais, Brunini chegou a pedir que fosse realizada a investigação contra suas falas, até para que ele pudesse usar o resultado em representações por calúnia e difamação. 

"Quando aconteceu a situação cheguei a levar a acusação até com humor. Mas a gente precisa restabelecer a verdade. Não tem uma palavra minha de homofobia, de ataque a Erika [...] Sempre a tratei com respeito e não desferi palavra em direção a ela, assim como nenhum outro parlamentar. Deputados de esquerda tem me atacado como homofobico, coisa que eu não admito. Não posso deixar que essa narrativa seja construída".