Sábado, 18 de Maio de 2024

POLÍTICA Terça-feira, 07 de Maio de 2024, 09:48 - A | A

Terça-feira, 07 de Maio de 2024, 09h:48 - A | A

MOMENTO DE DESESPERO

Pivetta revela temor após parentes que moram no RS ficarem ilhados por quatro dias no interior do Estado

Da Redação do O Bom da Notícia

O vice-governador Otaviano Pivetta (Republicanos) disse que parentes dele que residem no Rio Grande do Sul tiveram transtornos causados pela forte chuva que assolou o estado e fez transbordar o rio Guaíba na última semana. Ainda que ficaram 'ilhados' no interior do estado por quatro dias.

O comentário ocorreu durante reunião no Palácio Paiaguás, nesta segunda-feira (6), quando o Governo de Mato Grosso afirmou que destinará R$ 50 milhões para ajudar o estado gaúcho em obras emergenciais.

Nascido no Rio Grande Sul, Pivetta afirmou que tem parentes na capital, Porto Alegre, destacando que no último  dia 30 de abril um grupo de familiares dele foram fazer tratamentos de saúde no norte do estado, quando na volta para casa, se depararam com uma ponte coberta pelas águas na BR-386, em Lajeado, a 177 Km de Porto Alegre.

“Eles tiveram que retornar e entrar na cidade de Encantado para dormir, como a chuvarada não parou, isolou Encantado do resto do Rio Grande e eles não conseguiram sequer sair do hotel e ali ficaram quatro dias esperando a água baixar para poder voltar para encontrar o restante da minha família”, disse.

O vice-governador ainda relatou à imprensa que acabou buscando a Polícia Militar do Rio Grande para conseguir informações sobre o paradeiro de seus parentes.

“Conseguimos falar por telefone. Tive que pedir ajuda da polícia para localizá-los e termos notícias. Para nós que não tivemos nenhum dano, já foi sofrido, imagina para as pessoas que perderam todos os bens, casa... É um cena que nunca sonhei que iria ver na vida”.

Na avaliação de Pivetta, as chuvas que ocorreram de forma intensa no estado são “um fenômeno da natureza” e ainda não há explicações sobre o que aconteceu. “Não sou negacionista, eu sou favorável a cumprir o nosso código florestal, a cuidar dos nossos recursos naturais. Agora, arriscar palpites sobre as causas disso é muito fácil”, ressaltou.

“Acho que fenômenos da natureza acontecem e a concentração é curiosa porque se deu no sul do Rio Grande do Sul e ficou em cima dessa região por uma semana. É muito difícil acontecer isso. No final de semana, no sábado, é que as chuvas começaram a se dissipar mais para o norte do Rio Grande do Sul e Santa Catarina”, acrescentou.

ÚLTIMO BOLETIM

A última atualização do boletim emitido pela Defesa Civil do Rio Grande do Sul, divulgada no início da tarde desta segunda-feira (6), aponta que 364 municípios gaúchos foram atingidos pelas fortes chuvas, afetando 873.275 pessoas.

Até o momento, foram confirmadas 83 mortes e há mais quatro em investigação, além de 291 pessoas feridas no estado.(Com informações do Unica News)