icon Quarta-feira, 16 de Junho de 2021

SAÚDE & BEM ESTAR Quinta-feira, 19 de Dezembro de 2019, 11:42 - A | A

Paciente brasileiro que curou câncer com tratamento inédito morre em acidente

IG Saúde

Vamberto Luiz de Castro, de 64 anos, que ficou conhecido no Brasil inteiro por ter curado um linfoma agressivo através de um tratamento experimental e inédito na América Latina no Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto (SP), vinculado à Universidade de São Paulo ( USP ), morreu na semana passada, em Belo Horizonte, vítima de um acidente doméstico.

Vamberto arrow-options
Divulgação/USP
Vamberto ficou conhecido no Brasil inteiro por ter curado um linfoma agressivo através de um tratamento experimental

Segundo informações do "G1", o brasileiro sofreu um acidente no último dia 11, que não foi detalhado pela família, que provocou um traumatismo craniano grave. Ele foi enterrado no Cemitério Parque Renascer, em Contagem (MG), e parentes e familiares realizaram uma missa de sétimo dia na última terça-feira.

Em outubro, o GLOBO mostrou que Castro, funcionário público aposentado, não respondia bem à quimioterapia e à radioterapia ao ser apresentado à terapia de células CAR-T, ainda em testes. Submetido ao tratamento, cujo custo na rede privada ultrapassa US$ 1 milhão (cerca de R$ 4 milhões), quando somados custo do material terapêutico (acima de R$ 1,6 milhão) e da expertise médica necessária, foi diagnosticada a remissão do câncer.

Leia também: Câncer de pulmão é o que mais mata no mundo; entenda a doença e como evitá-la

Seu caso virou fonte de inspiração e expectativas para pessoas com câncer em todo o Brasil. O tratamento que usa o sistema imune, a linha de defesa do corpo humano, para atacar o câncer, é tido como promissor, mas foi desenvolvido para um subtipo específico de linfoma (câncer do sangue), o não-Hodgkin.

A terapia é feita por meio da avaliação das características moleculares do câncer a ser combatido, extração dos linfócitos-T do paciente (células de reconhecimento do sistema imune) e alteração do DNA dessas células para que identifiquem o tumor adequadamente e o ataquem.



Fonte: IG Saúde


Imprimir

Comentários