Sexta-feira, 12 de Julho de 2024

VARIEDADES Terça-feira, 02 de Maio de 2023, 17:35 - A | A

Terça-feira, 02 de Maio de 2023, 17h:35 - A | A

EUA rejeitaram 14,5% dos vistos de turismo para brasileiros em 2022

Turismo

Em 2021 o índice foi de 14,3%
Pexels

Em 2021 o índice foi de 14,3%

Um levantamento realizado pela AG Immigration – escritório de advocacia especializado em green cards e com sede em Washington D.C. (EUA) – revelou que 14,5% dos vistos americanos de turismo e negócios concedidos a brasileiros em 2022 foram negados pelos EUA.

O índice de rejeição ficou levemente acima ao do ano anterior (14,3%) e bem abaixo do recorde de 23,2% registrado em 2020, durante a pandemia de Covid-19.

Com isso, o Brasil foi o 133º mais rejeitado de uma lista de 199 países, segundo os dados que a AG Immigration levantou junto ao Departamento de Estado americano. Concomitantemente, foi o 67º que mais registrou aprovações.

“É um patamar de rejeição baixo, consonante com a média dos últimos oito anos e que realça como o brasileiro tem conseguido se preparar adequadamente para as entrevistas com os oficiais consulares. No entanto, ainda há muita desinformação e mitos que precisam ser derrubados”, explica o advogado de imigração Felipe Alexandre, sócio-fundador da AG Immigration.

O especialista explica que a maioria das rejeições se dá porque as pessoas não conseguem comprovar, durante a entrevista e por meio de documentos, que possuem vínculos fortes com Brasil ou que terão condições de se manter financeiramente durante a viagem. “O agente consular pode achar que existe a intenção de o turista permanecer ilegalmente nos EUA.”

Outros motivos de rejeição incluem informações desencontradas entre o que foi preenchido no formulário DS-160 e o que foi respondido na entrevista consular, eventual histórico de deportação ou violação de status do candidato, gravidez (para evitar o chamado “turismo de nascimento”) e questões de segurança nacional.

Já entre os mitos citados por Alexandre está o de que as chances de aprovação do visto B1/B2 são maiores quando o turista já tem viagem comprada para os EUA. “As pessoas acham que isso vai pressionar o oficial consular, quando na verdade não há impacto nenhum”, diz.

Por isso, a recomendação é de que qualquer pacote turístico, passagem aérea ou reserva em hotel sejam adquiridos apenas depois que o viajante estiver com o visto aprovado e em mãos.

Confira a lista de países com as maiores taxas de rejeição do visto B1/B2 em 2022 segundo o escritória de advocacia


MICRONÉSIA - 100,00% MAURITÂNIA - 89,72% DJIBOUTI - 74,44% SOMÁLIA - 73,97% BURUNDI - 69,52% CHADE - 69,39% NAURU - 66,67% PALAU - 66,67% SENEGAL - 66,48% MALI - 64,08%


Acompanhe o iG Turismo também pelo Instagram e receba dicas de roteiros e curiosidades sobre destinos nacionais e internacionais. Siga também o perfil geral do Portal iG no Telegram.

Fonte: Turismo