Terça-feira, 23 de Julho de 2024

AGRO & ECONOMIA Terça-feira, 28 de Fevereiro de 2023, 11:03 - A | A

Terça-feira, 28 de Fevereiro de 2023, 11h:03 - A | A

Lula define nesta terça sobre retorno do imposto de combustíveis

Economia

Desoneração via MP tem prazo encerrado nesta terça
FreePik

Desoneração via MP tem prazo encerrado nesta terça

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) se reúne nesta terça-feira (28) com os ministros da Casa Civil, Rui Costa; o ministro da Fazenda, Fernando Haddad; o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira; e o presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, para definir sobre a reoneração dos combustíveis. 

Termina hoje o prazo da Medida Provisória (MP) que prorrogou por dois meses a desoneração dos impostos federais sobre a gasolina e o etanol. Já o diesel e o gás de cozinha permanecem com PIS/Cofins zerados até o fim do ano. 

O governo discute uma prorrogação do prazo, o que Haddad é contrário. A equipe econômica defende a volta dos impostos sobre os combustíveis, citando perda de arrecadação.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG 

Segundo a colunista Mônica Bérgamo, da Folha de São Paulo, há a possibilidade de os impostos serem maiores sobre combustíveis fósseis, como a gasolina, e mais leves sobre biocombustíveis, como o etanol.

Além disso, o governo estuda onerar os consumidores de outras formas, o que indica que a aplicação de impostos poderia ser cobrada de formas diferentes ao longo de toda a cadeia produtiva.

Os impostos federais sobre combustíveis foram zerados ainda no ano passado. Em um cenário eleitoral e de aumento de preços, o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) optou pela isenção completa.

Depois de Lula vencer as eleições, Haddad criticou a isenção de impostos sobre combustíveis, afirmando que os tributos voltariam no governo petista. Logo no início do ano, porém, Lula editou uma MP colocando um período de transição para a reoneração. Segundo o texto, a cobrança sobre gasolina e álcool voltaria em março, enquanto o diesel seguiria desonerado até o final do ano.

Segundo Haddad, a  Petrobras pode conter parte do aumento provocado pelo imposto federal. 

“[O uso do colchão] dentro do PPI significa respeitar o PPI. Significa que a atual política de preços da Petrobras tem um colchão que permite aumentar ou diminuir o preço dos combustíveis e ele pode ser utilizado”, declarou Haddad ao deixar o ministério.

Caso o governa decida pela cobrança nas alíquotas anteriores, deve impactar no preço em R$ 0,69 na gasolina e R$ 0,24 no etanol ao consumidor final, segundo cálculos da Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom). 

Na sexta-feira (24), Hoffmann afirmou que voltar a taxar combustíveis agora é "descumprir compromisso de campanha". "Não somos contra taxar combustíveis, mas fazer isso agora é penalizar o consumidor, gerar mais inflação e descumprir compromisso de campanha", disse em uma rede social.

Fonte: IG ECONOMIA