Terça-feira, 16 de Julho de 2024

AGRO & ECONOMIA Terça-feira, 16 de Maio de 2023, 12:31 - A | A

Terça-feira, 16 de Maio de 2023, 12h:31 - A | A

Petrobras reduz preço de gasolina, diesel e gás de cozinha em até 21%

Economia

 Jean Paul Prates, presidente da Petrobras, em sua primeira coletiva de imprensa no cargo
Tomaz Silva/Agência Brasil - 02/03/2023

Jean Paul Prates, presidente da Petrobras, em sua primeira coletiva de imprensa no cargo

O ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, afirmou nesta terça-feira (16) que a Petrobras vai reduzir, a partir desta quarta-feira (17), o preço do gás de cozinha, do diesel e da gasolina. A gasolina vai cair 12,6%, o diesel 12,8% e o gás de cozinha 21,3%.

  • gasolina: - R$ 0,40 por litro (-12,6%)
  • diesel A: - R$ 0,44 por litro (-12,8%)
  • GLP: - 8,97 por botijão de 13 kgs (-21,3%)

"Hoje [terça-feira] nós estamos recebendo esse gesto da Petrobras, redução do preço do gás de cozinha de mais de 21% e da gasolina e do óleo diesel", declarou Silveira após encontro com o presidente da Petrobras, Jean Paul Prates.

Entre no canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o perfil geral do Portal iG

No início da manhã, a empresa anunciou que aprovou a mudança na política de preços. Com isso, a Paridade de Preço de Importação deixou de ser a única métrica analisada.

O presidente Jean Paul Prates, no entanto, afirmou que a nova política de preços da estatal não se afastará da "referência internacional dos preços".

A nova política vai considerar o "custo alternativo do cliente" e o "valor marginal para a Petrobras", e não parâmetros internacionais, como o petróleo e o dólar, da maneira que é feito desde 2016.

"Estamos comunicando ao mercado um ajuste na estratégia comercial de composição de preço e nas condições de venda. Esse modelo maximiza a incorporação de vantagens competitivas, sem se afastar absolutamente da referência internacional dos preços", disse.

"Quando digo referência, não é paridade de importação. Portanto, quando o mercado lá fora estiver aquecido, com preços fora do comum e mais altos, isso será refletido no Brasil. Porque abrasileirar o preço significa levar vantagens em conta, sem tirar nossas vantagens nacionais", completou.

Ele criticou a política anterior, o PPI, classificando-a como "abstração". "Pegar preço lá fora, colocar aqui dentro como se tivesse produzido lá fora, só que na porta da refinaria daqui".

Veja o comunicado da empresa

A partir de amanhã (17/5), a Petrobras reduzirá em R$ 0,44 por litro o seu preço médio de venda de diesel A para as distribuidoras, que passará de R$ 3,46 para R$ 3,02 por litro.

Considerando a mistura obrigatória de 88% de diesel A e 12% de biodiesel para a composição do diesel S10 comercializado nos postos, por exemplo, a parcela da Petrobras no preço ao consumidor será, em média, R$ 2,69 a cada litro vendido na bomba. Mantidas as parcelas referentes aos demais agentes conforme a pesquisa de preços da ANP para o período de 7 a 13/05, o preço médio ao consumidor final poderia atingir o valor de R$ 5,18 por litro de diesel S10.

Para a gasolina A, a Petrobras reduzirá em R$ 0,40 por litro o seu preço médio de venda para as distribuidoras, que passará de R$ 3,18 para R$ 2,78 por litro.

Considerando a mistura obrigatória de 73% de gasolina A e 27% de etanol anidro para a composição da gasolina comercializada nos postos, a parcela da Petrobras no preço ao consumidor será, em média, R$ 2,03 a cada litro vendido na bomba. Mantidas as parcelas referentes aos demais agentes conforme a pesquisa de preços da ANP para o período de 7 a 13/05, o preço médio ao consumidor final poderia atingir o valor de R$ 5,20 por litro.

Destaca-se que o valor efetivamente cobrado ao consumidor final no posto é afetado também por outros fatores como impostos, mistura de biocombustíveis e margens de lucro da distribuição e da revenda.

A redução do preço da Petrobras tem como objetivos principais a manutenção da competitividade dos preços da companhia frente às principais alternativas de suprimento dos seus clientes e a participação de mercado necessária para a otimização dos ativos de refino em equilíbrio com os mercados nacional e internacional.

Ciente da importância de seus produtos para a sociedade brasileira, a companhia destaca que na formação de seus preços busca evitar o repasse da volatilidade conjuntural do mercado internacional e da taxa de câmbio, ao passo que preserva um ambiente competitivo salutar nos termos da legislação vigente.

Transparência é fundamental

De forma a contribuir para a transparência de preços e melhor compreensão da sociedade, a Petrobras publica em seu site informações referentes à sua parcela e dos demais agentes na formação e composição dos preços médios de combustíveis ao consumidor.

Ggás de cozinha

A partir de amanhã (17/5), a Petrobras reduzirá em R$ 0,69 por kg o seu preço médio de venda para as distribuidoras, que passará de R$ 3,2256 para R$ 2,5356 por kg, equivalente a R$ 32,96 por botijão de 13kg.

Mantidas as parcelas referentes aos demais agentes conforme a pesquisa de preços da ANP para o período de 7 a 13/05, o preço médio ao consumidor final poderia atingir o valor de R$ 99,87 por 13kg.

Destaca-se que o valor efetivamente cobrado ao consumidor final no ponto de venda é afetado também por outros fatores como impostos e margens de lucro da distribuição e da revenda.

A redução do preço da Petrobras tem como objetivos principais a manutenção da competitividade dos preços da companhia frente às principais alternativas de suprimento dos seus clientes e a participação de mercado necessária para a otimização dos ativos de refino em equilíbrio com os mercados nacional e internacional.

Ciente da importância de seus produtos para a sociedade brasileira, a companhia destaca que na formação de seus preços busca evitar o repasse da volatilidade conjuntural do mercado internacional e da taxa de câmbio, ao passo que preserva um ambiente competitivo salutar nos termos da legislação vigente.

Fonte: Economia