Sexta-feira, 24 de Maio de 2024

ARTIGOS Quarta-feira, 16 de Novembro de 2022, 19:20 - A | A

Quarta-feira, 16 de Novembro de 2022, 19h:20 - A | A

CAROL BISPO

Esse cabelo é igual bandido!

“Esse cabelo é igual bandido: se não está preso, está armado”. Quem tem cabelo cacheado ou crespo por certo já ouviu, ou até mesmo disse, esta frase. Disfarçadas de brincadeira, são palavras carregadas de preconceito.

Como profissional da beleza e observadora de comportamentos relacionados a imagem pessoal, vejo que falas como essas desencadeiam efeitos extremamente graves na autoestima. Elas contribuem para a manutenção de um padrão de beleza que desvaloriza a expressão da identidade própria.

A partir desses discursos, disfarçados de “brincadeiras inofensivas”, inicia-se a busca por cabelos lisos e negação da beleza negra/afro. Esse estigma negativo dos cabelos crespos/cacheados gera desmotivação e insegurança. Quem os possui tende a camuflar a sua imagem como um todo, usando roupas pesadas e cabelos presos na tentativa de não serem notadas e assim não se tornarem alvos de críticas ou piadas.
Uma pesquisa realizada pela Google BrandLab em 2017 e intitulada como a “Revolução dos Cachos”, concluiu que 65% das pessoas no mundo têm pelo menos uma onda no cabelo. E o mesmo estudo identificou que uma em cada três mulheres já sofreu preconceito por conta do cabelo.

Os comentários negativos geram uma resistência na aceitação do cabelo natural. O preconceito faz com que a pessoa não entenda a representatividade que carrega nos fios e acaba por criar expectativa de aprovação de terceiros para que possa se sentir valorizada e vista de forma respeitosa e bela.

Infelizmente este mal ainda faz parte da nossa sociedade. Brincadeiras, comentários, frases soltas “sem maldade” relacionadas às características físicas de pessoas negras, são na verdade racismo, um crime! É inadmissível naturalizar comportamentos que desrespeitam. Ao falarmos de cabelos crespos e cacheados, estamos falando de culturas, de ancestralidade, de lutas, de significados.
Rir, comentar ou alegar desconhecimento não devem fazer parte nem mesmo de nós que possuímos tais características. Esta atitude colabora para que gerações futuras compreendam que essas falas ofendem; geram autossabotagem e provocam prejuízos mentais e comportamentais. A beleza, esta sim, deve ser dita em alto e bom som. Deve ser valorizada. Sem justificativas, contradições ou comparações.

O cabelo transmite muito sobre nós sem que tenhamos que dizer nada. No visagismo conseguimos compreender as linhas e seus significados inconscientes na mente humana. Por exemplo, o cabelo liso (linhas retas) é aquele que transmite poder e estaria ligado, inclusive, ao sucesso financeiro. Os que possuem ondas (linhas curvas) transmitem alegria, força, jovialidade, sensualidade, acessibilidade, entre outros. Pessoas de cabelos cacheados ou crespos tendem a se preocupar com isso, principalmente no ambiente profissional. Pensam não serem capazes de transmitir credibilidade pelo simples fato de possuírem um cabelo “fora dos padrões”.

Mas a verdade é que tudo é uma questão do que desejamos transmitir. Esse poder está no conjunto da obra, ou seja, em toda a nossa imagem. A decisão é nossa! Ao optar pela manutenção da naturalidade, conseguimos associar tudo que somos e temos a nosso favor.

Cabelos crespos ou cacheados possuem história. Representam significado cultural. Cientistas apontam que tratam-se de fator genético e possivelmente herança negra e afrodescendente. No Brasil, como já sabemos, isso é fato. A miscigenação proporcionou aos brasileiros diferentes curvaturas, não existindo, portanto, um padrão.

É urgente a necessidade de se conhecer o real significado do cabelo na imagem. Valorizar nossas origens! É preciso entender que cada beleza é única! A partir disso, falas, como a do título deste texto, serão somente expressões vazias que em nada representam a diversidade, a história, a personalidade e o encanto que o crespos e os cacheados de fato são.

Esposos, esposas, pais, mães, familiares, amigos, professores, façamos também a nossa parte! Elogie a crespa, o crespo, a cacheada e o cacheado que convive com você! Diga o quanto os cabelos são lindos. Presenteie com produtos, acessórios. Incentive que cuidem bem dos fios. Com isso, contribuiremos para a valorização e o desenvolvimento da autoestima daqueles que amamos.

*CAROL BISPO é visagista, especialista em cabelos crespos e cacheados e acadêmica de Psicologia. Instagram: @carolbispo_visagista.