Quinta-feira, 25 de Julho de 2024

ARTIGOS Quarta-feira, 19 de Junho de 2024, 11:40 - A | A

Quarta-feira, 19 de Junho de 2024, 11h:40 - A | A

EVELYN SOUZA

Fim da escala 6x1 e mães solos: O silêncio inaceitável dos deputados mato-grossenses

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que visa o fim da escala de trabalho "seis por um" (6x1), ou seja, seis dias de trabalho seguidos por um dia de folga, tem sido um tema de intenso debate no Brasil. Essa mudança pode trazer impactos significativos na vida de muitos trabalhadores, especialmente as mães solo, que já enfrentam desafios consideráveis para conciliar trabalho e responsabilidades familiares.

A escala de trabalho 6x1 é um regime bastante comum em diversos setores, como comércio, serviços e indústria, onde os empregados trabalham seis dias consecutivos e têm direito a um dia de descanso. Embora essa prática esteja em conformidade com a legislação trabalhista brasileira, ela pode ser cansativa e difícil de conciliar com outras responsabilidades pessoais e familiares.

As mães solo são um grupo especialmente vulnerável dentro da força de trabalho. Elas têm a dupla jornada de trabalho remunerado e cuidados com os filhos, o que pode ser esgotante e prejudicial à sua saúde e bem-estar.

Já que com apenas um dia de folga por semana, as mães solo têm pouco tempo para passar com seus filhos, o que pode prejudicar o desenvolvimento emocional e social das crianças. Além de encontrar dificuldades em conciliar horários de trabalho com a escola, cuidados de saúde e outras necessidades dos filhos pode ser extremamente desafiador, já que muitas vezes, serviços essenciais como consultas médicas, atividades escolares e outros são oferecidos durante a semana. 

Também é importante destacar que a exaustão causada pela longa jornada de trabalho sem intervalos suficientes pode levar ao desgaste físico e mental, afetando tanto a mãe quanto a qualidade dos cuidados que ela pode oferecer aos filhos.

Portanto, com a aprovação desta PEC para modelos mais flexíveis pode proporcionar um melhor equilíbrio entre vida profissional e pessoal, permitindo que as mães solo se dediquem mais aos seus filhos e a si mesmas, assim reduzindo o estresse e a exaustão, melhorando sua saúde geral e capacidade de cuidar dos filhos.

Embora a PEC apresente muitos benefícios potenciais, também há desafios a serem considerados. Empregadores podem resistir a mudanças significativas na escala de trabalho devido a preocupações com a produtividade e a necessidade de reorganização dos horários de trabalho. No entanto, a implementação dessa proposta requer um diálogo cuidadoso entre empregadores, trabalhadores e legisladores para garantir que as mudanças beneficiem a todos os envolvidos.

Entretanto, a falta de posicionamento dos parlamentares federais mato-grossenses sendo eles, Abilio Brunini (PL), Gisela Simona (UB), Coronel Fernanda (PL), Coronel Assis (UB), Nelson Barbudo (PL), José Medeiros (PL), Emanuelzinho (MDB) e a suplente de Juarez Costa, a primeira-dama de Água Boa Juliana Kolankiewicz (MDB), em relação à PEC é motivo de preocupação e merece uma análise crítica. Tal postura de ‘descaso’ pode ser interpretada como uma negligência das responsabilidades e dos deveres dos representantes eleitos para defender os interesses de seus eleitores e promover o bem-estar social.

Os parlamentares são eleitos para representar a população e suas necessidades no âmbito federal e quando se abstêm de posicionar-se sobre uma questão tão crucial como a escala de trabalho, falham em cumprir com sua função representativa. A omissão dos parlamentares mato-grossenses demonstra uma desconexão com a realidade vivida por seus eleitores, especialmente, as mães solo, além de impedir um debate público sobre as condições de trabalho no Brasil.

Evelyn Souza é Jornalista e repórter do portal O Bom da Notícia.