Sexta-feira, 24 de Maio de 2024

O BOM DA VIDA Sábado, 20 de Janeiro de 2024, 15:24 - A | A

Sábado, 20 de Janeiro de 2024, 15h:24 - A | A

APOIO DA SECEL

Museu realiza exposição sobre a viola de cocho em Santo Antônio de Leverger

Viabilizada por edital da Secel, a mostra está instalada no Museu da Viola de Cocho, em Santo Antônio de Leverger

Da Redação do O Bom da Notícia/Com Assessoria

A exposição “De Geração em Geração – tocando viola de cocho” cataloga e propaga saberes sobre o instrumento que é símbolo da cultura mato-grossense e patrimônio imaterial brasileiro. Instalada no Museu da Viola de Cocho, que fica no Distrito de Varginha, em Santo Antônio de Leverger, a mostra foi viabilizada por edital da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel-MT).

O Museu está ativo aos fundos da residência e ateliê do artesão e Mestre da Cultura Alcides Ribeiro. Junto com a família, ele zela para preservar e difundir o saber tradicional sobre a viola de cocho. 

“Abrimos o Museu há dois anos, mas faltava organizar e catalogar o acervo, definir projeto expográfico e promover o lançamento. Agora, com a exposição pronta, oportunizamos que a população local e turistas conheça a história da viola e de quem a produz, multiplicando os saberes”, explica o artesão.

Filho do também artesão e Mestre Caetano Ribeiro, Alcides faz parte da quarta geração de fazedores da viola de cocho. O contexto motivou o nome da exposição “de geração em geração”, que guarda alguns registros e conhecimentos salvaguardados ao longo dos anos. 

Além de apresentar variados modelos do instrumento mato-grossense, a exposição revela as etapas de sua confecção, que vão desde a obtenção do tronco da madeira, o entalhamento ao acabamento. O visitante ainda poderá comparar as diferenças nos moldes da viola de cocho por artesão, região e período.   

“Cada artesão desenvolve a viola a seu modo e isso também é percebido de acordo com a região. Meu pai, por exemplo, não usava muito metro, era tudo no olho. Já eu meço tudo. Todos os modos de fazer são valiosos”, destacou Alcides. O artesão, inclusive, informa que aceita doações de violas de cocho para exposição no Museu.

O espaço abriga também objetos feitos em materiais semelhantes ao da viola de cocho, como a canoa de cocho, a gamela, o balaio ou jaca, além de outros artesanatos, como mocho de siriri, ganzá e souvenirs.

A visita ao público é gratuita e pode ser feita de terça-feira a domingo, em horário comercial. Para grupos e escolas, é necessário agendamento prévio pelo telefone 65 9959-6366, e, nesse caso, é sugerida uma ajuda simbólica para custear as atividades do atendimento.
 
“O Museu da Viola de Cocho é um ponto de cultura que abriga uma linda história do Mestre Alcides Ribeiro e da sua família. E, para nós da Secel, é uma satisfação contribuir desde a implantação do Museu ao lançamento da exposição. Esperamos que a população possa conhecer esse importante espaço de celebração da viola de cocho e da nossa cultura”, ressaltou o secretário adjunto de Cultura da Secel, Jan Moura. 

A viola de cocho

Reconhecida pelo Instituto do Património Histórico e Artístico Nacional (Iphan) como patrimônio imaterial brasileiro, a viola de cocho é mais que um instrumento musical, é um símbolo da identidade cultural de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, presente nas manifestações tradicionais muito antes da divisão dos dois Estados.

O nome vem da técnica de fabricação, similar à feitura de um cocho, recipiente usado para colocar alimentos para animais: ambos são talhados a partir de um pedaço de madeira maciça. O pequeno cocho é “cavado” até formar a caixa de ressonância do instrumento, que depois recebe tampo, cavalete, espelho, rastilho e cravelhas.

Para sua fabricação, são usadas as madeiras ximbuva, sarã de leite ou cedro rosa, todas nativas da região. De acordo com Alcides Ribeiro, a maioria utilizada é madeira de reaproveitamento, que são doadas ao artesão após a queda acidental ou inevitável da árvore. 

Originalmente, o encordoamento da viola era feito com cordas de tripa e uma revestida de metal, mas foram substituídas por fios de pesca.