Domingo, 16 de Junho de 2024

POLÍTICA Domingo, 26 de Maio de 2024, 09:39 - A | A

Domingo, 26 de Maio de 2024, 09h:39 - A | A

PREFEITURA DE CUIABÁ

Botelho diz que escolha do vice deve ocorrer em agosto e seguirá as orientações de Mendes

Luciana Nunes/ O Bom da Notícia

O presidente da Assembleia Legislativa e pré-candidato à Prefeitura de Cuiabá, Eduardo Botelho (UB) voltou a colocar 'panos quentes' esta semana quanto a escolha do vice que vai compor a cabeça de chapa com ele. À jornalistas, Botelho reafirmou que esta escolha ocorrerá somente nas convenções partidárias., ou seja, no final de julho ou início de agosto.

Ao ainda admitir que apesar dos diálogos e acordos para ampliar sua base de apoio na disputa pelo comando do Alencastro, nesta eleição, muito possivelmente a recomendação virá do governador Mauro Mendes que, igualmente, é o presidente do diretório estadual do União Brasil.

“A questão da vice, o governador Mauro Mendes quer esta discussão feita lá em agosto nas convenções, e eu acho que ele está certo. Tem nomes que estão sendo colocados, mas vamos fazer este debate mais lá na frente e aí decidir”, explicou.

Botelho citou alguns dos nomes que já foram ventilados para compor a chapa e garante que não tem preferência.

“Tem vários nomes, Júlio Verdão, Marcelo Sandrin, Danielle Carmona, Maysa Leão, Grasielle Bugalho, Natasha Slhessarenko, Gisela Simona. Ou seja, são vários nomes. Eu vou escolher aquele que o povo entender que é o melhor”, completou.

Nos bastidores há uma grande defesa para que a vice de Botelho seja uma mulher. Na semana passada, a vereadora Michelly Alencar (UB) validou, inclusive, o nome da deputada estadual Gisela Simona, também do União, para ser vice de Botelho

“Eu defendo um nome que eu nem sei se ela quer, eu gostaria muito de ver Gisela Simona. Eu penso que seria uma mulher pronta para fazer discussões políticas com um pouco mais de profundidade. Uma mulher que defende as suas causas de forma aguerrida e republicana”, disse Michelly.

Já a deputada federal Gisela Simona tem insistentemente dito que sua missão é a Câmara Federal, com a decisão de Fàbio Garcia em ficar como secretário-chefe da Casa Civil em todo mandato de Mauro Mendes na Governadoria do Estado.

Ao ainda alegar que é absolutamente republicano que o nome do vice saia de um dos partidos da base de apoio do presidente da Assembleia. Asseverando ainda que bons nomes não faltam dentro das legendas que atualmente estão no arco de alianças com Botelho.