Sábado, 18 de Maio de 2024

POLÍTICA Sábado, 16 de Março de 2024, 15:26 - A | A

Sábado, 16 de Março de 2024, 15h:26 - A | A

CUIABÁ

Edna realiza 13ª assembleia do Mandato Coletivo na Câmara Municipal

Da Redação do O Bom da Notícia com Assessoria

A vereadora Edna Sampaio (PT) realizou, na noite desta quinta-feira (14), no Plenarinho da Câmara Municipal, a 13ª assembleia de co-vereadores do Mandato Coletivo pela Vida e por Direitos, que pela primeira vez aconteceu no interior da Casa de Leis.

Desta vez, participaram também Misiara Oliveira, membro da executiva nacional do Partido dos Trabalhadores, o deputado estadual Lúdio Cabral, e o presidente do Diretório Municipal do partido, Elisvaldo Almeida, além de representantes de movimentos sociais.

 

As assembleias acontecem trimestralmente e são abertas à comunidade. Durante o evento, foi apresentada e aprovada a programação de atividades para este ano, a prestação de contas, e realizado um debate sobre a conjuntura e um ato de filiação de novos ingressantes no partido.

Edna afirmou que fez questão de realizar a assembleia no espaço da Câmara. Ela classificou a perseguição e a criminalização que vem sofrendo como uma retaliação a seu modo de fazer política e observou que o mandato coletivo não é novidade em outras partes do país, mas causa estranheza em um estado conservador como Mato Grosso.

“Tudo que é novo, diferente, gera esse tipo de desconforto, como é novo também uma mulher preta sentar em uma cadeira neste parlamento. Sabemos muito bem as razões disso. Fizemos questão de trazer a assembleia para o espaço desta Casa, uma Casa de Leis, aquela que mais deve respeitar a democracia e a representação que ela traz do nosso povo. Temos que diversificar mais a política. Não somos representados pelos que ocupam, majoritariamente, os assentos dos parlamentos, porque a maioria de nós tem a pele escura e é do sexo feminino, seja por nascimento ou por identidade”, disse ela.

Ela observou que seu grupo de apoiadores têm perfis e vivências muito diferentes daqueles que têm ocupado os espaços de poder em todo o país. “É um legado que temos de uma história triste, de violência, de apartação social, que ainda vivemos até hoje e se reflete na ocupação dos espaços de poder. Estamos aqui para mudar, para que essa realidade não seja a mesma”, afirmou.

Entre os co-vereadores presentes estava o auditor fiscal do trabalho e titular da Superintendência Regional do Trabalho de Mato Grosso, Amarildo Borges, que também fez essa avaliação.

 

“Esse formato de mandato representa o diferente dentro da Câmara e, por isso, causa insatisfação nos adversários, que tentam, de todas as formas, desqualificar, inclusive essa forma de fazer política que, de certa forma, afronta a velha política”, destacou.

Entre os representantes dos movimentos sociais, estava o estudante Nilton Giovani, do Diretório Central dos Estudantes da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Ele destacou o apoio de Edna Sampaio a pautas defendidas pela juventude, entre elas a luta pelo passe livre, e enfatizou a importância da participação dos jovens na política.

“Todo enfrentamento exige muita luta e coragem, é isso que vemos na Edna e em todos os apoiadores. Vão haver outros enfrentamentos virão e um deles é a falta de participação da juventude. Temos poucos representantes da juventude dentro dos mandatos e a Edna é um exemplo de pessoa que traz a juventude para dentro do mandato”, disse.

 

 

Os novos filiados receberam certificados e foram homenageados. Um deles, o professor Marcos José Ezequiel da Silva, agradeceu a honraria afirmou que passou a se interessar pelo partido depois de participar do curso “Educação antirracista”, realizado pela vereadora Edna, e ter contato com a militância.

“O PT se importa com as pessoas. Vejo isso no presidente Lula e em quem faz parte do partido. Percebemos o interesse destas pessoas em ajudar os menos favorecidos, pessoas que precisam de um cuidado e uma atenção maior. Me identifiquei muito com esse partido e fiquei apaixonado pela causa da Edna e no Lúdio”, disse ele.

Também participaram apoiadores de outros municípios, como foi o caso de Elissandra da Silva Rodrigues, filiada em Chapada dos Guimarães, que compareceu especialmente para a Assembleia.

“Sempre gostei de participar de ações sociais e lá em Chapada realizamos este tipo de trabalho, visando o combate à fome no município. A história da Edna se parece muito com a minha, de luta. No caso dela, é contra o racismo. No meu caso, é contra a desigualdade econômica. Por isso me identifiquei e resolvi me somar a esta luta”, disse.

Durante a assembleia, ocorreu um debate sobre a atual conjuntura política e a importância do protagonismo da esquerda no atual momento político.

A representante da direção nacional do partido, Misiara Oliveira, destacou o desafio de realizar a disputa ideológica e de projeto de sociedade com a extrema-direita, apontando um avanço do fascimo em vários países do mundo, entre eles EUA, Espanha e Portugal, e apontou a importância da eleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva nesse contexto.

Ela falou também sobre o crescimento da aprovação popular da esquerda em Mato Grosso e sobre a importância de defender seu projeto político, que é pautado na defesa da classe trabalhadora.

“Tenho convicção que o desempate precisa ser um ato de coragem, de tratar de temas que ninguém quer tratar, fazer a disputa cultural e ideológica. É assim que a gente explica para as pessoas, pedagogicamente, que nosso projeto não é identitário. Não tratamos de identitarismo, tratamos de desigualdade de raça, gênero e classe. Tratamos de maiorias excluídas dos espaços de poder político, de decisão, econômico”, afirmou.