Domingo, 19 de Maio de 2024

POLÍTICA Quarta-feira, 24 de Abril de 2024, 17:42 - A | A

Quarta-feira, 24 de Abril de 2024, 17h:42 - A | A

PANTANAL

Jayme pede rapidez em aprovação de estatuto e aponta 'abandono histórico do homem pantaneiro'

Luciana Nunes/ O Bom da Notícia

Em entrevista à Rádio Cultura FM nesta segunda-feira (22), o senador Jayme Campos (UB) afirmou que o pantaneiro está abandonado historicamente. Lembrando da facilidade que outros têm de assegurar financiamentos e eles não.

Assim, o senador cobrou a aprovação rápida do Estatuto do Pantanal, para que novas regras os ajudem.

"O pantaneiro foi abandonado ao longo da sua história. Todo mundo tem financiamento, todo mundo tem tratamento especial, mas o Pantanal não tem nenhum tratamento diferenciado. Ainda tem um turismo muito incipiente por causa da infraestrutura, como boas estradas. Enfim, precisamos dar ao homem pantaneiro para que ele possa de fato cuidar do pantanal", disse.

O senador também defende um tratamento diferenciado para o Pantanal, a partir da criação de um instrumento jurídico que favoreça o homem pantaneiro e penalize, sobretudo, os infratores ambientais.

"O projeto inicial foi feito por pessoas sentadas em ar-condicionado e elaboraram um texto que não era palatável e muito menos condizia com a realidade do Pantanal. Nós fizemos um substitutivo grande. […] Após ouvir todos os segmentos, povos originários, pantaneiros, quilombolas, tivemos a preocupação também de ouvir a Famato aqui e a Famasul de Mato Grosso do Sul. Todas as entidades foram ouvidas, para a realização de um relatório substancial", completou.

Na semana passada o programa Fantástico, da TV Globo, mostrou o caso do fazendeiro que foi multado em quase R$ 3 bilhões após desmatar ilegalmente mais de 81 mil hectares de uma área no Pantanal mato-grossense com produtos químicos, alguns usados pelos americanos na guerra contra o Vietnã.

Pautado na reportagem do Fantástico e em várias notícias dilvugadas no Estado, Jayme chegou a ventilar - em sua entrevista na rádio -, sobre a necessidade de punir, com prisão, o pecuarista Claudiney Oliveira Lemes que pode ter causado males irreversíveis ao Pantanal, considerado patrimônio mundial e que possui um dos biomais mais ricos e frágeis do planeta.

"Algumas providências devem ser tomadas. Tem que ser preso, condenado. Ele está fora da lei. À margem da lei. Essas pessoas devem ser penalizadas conforme a lei. Entretanto, também é importante assegurar que as atividades legítimas no Pantanal não sejam inviabilizadas por medidas extremas".