Sexta-feira, 24 de Maio de 2024

POLÍTICA Domingo, 07 de Abril de 2024, 16:24 - A | A

Domingo, 07 de Abril de 2024, 16h:24 - A | A

ELEIÇÕES DE 2024

Ludio se esquiva de falar sobre vice mas não mede elogios à médica Natasha Slhessarenko

Luciana Nunes/ O Bom da Notícia

À jornalistas, o deputado estadual Lúdio Cabral (PT) não mediu elogios à médica Natasha Slhessarenko - que trocou o PSB pelo PSD neste sábado(06) -, no final da janela partidária, credenciando seu nome para ser  disputar até mesmo a Prefeitura de Cuiabá, caso ela queira.

Ainda que a médica esteja sendo cotada, para ser sua vice em caso da Federação Brasil da Esperança(PT, PCdoB e PV) oficializar seu nome na disputa pela Prefeitura de Cuiabá. Já que há, igualmente, nesta queda de braço eleitoral o nome do vice-prefeito José Roberto Stopa(PV) que também não abre mão de lutar pelo comando do Palácio Alencastro.

A declaração do deputado petista veio após questionamento da imprensa se a filiação da médica já não seria uma estratégia do ministro Carlos Fávaro, presidente do Partido Social Democrático, em Mato Grosso, após fechar compromisso de caminhar com a Federação em reunião com o presidente Lula, no início do ano. 

“A Natasha, como eu já disse, é qualificadíssima. É uma novidade positiva na política e tem credenciais para disputar a prefeitura se assim desejar e se for da leitura do PSD. Agora uma composição de chapa, vai precisar primeiro de uma posição na Federação para depois abrirmos diálogo com outros partidos”, disse.

Mas mesmo evitando antecipar uma definição, Lúdio asseverou que Natasha é bem-vinda ao grupo. “Ela é muito bem-vinda. Ela fortalece o nosso grupo. Mas, claro, para falarmos sobre uma vice, precisamos esperar a decisão da Federação", reiterou.

Durante café da manhã no dia 24 de março, o ministro Carlos Fávaro convidou a médica Natasha Slhessarenko para trocar o PSB pela PSD. Pouco depois, por meio de suas redes sociais, Natasha sinalizou a migração e neste sábado, 6 de abril, ela se tornou a mais nova social democrata de Mato Grosso.

A médica tem como bagagem e referência política a sua mãe, Serys Marly Slhessarenk, ex-senadora e ex-deputada estadual e federal por Mato Grosso.

Serys foi, aliás, a primeira mulher senadora no Estado, em 2002, com votação recorde e colocando no bolso dois gigantes políticos: os ex-governadores Carlos Bezerra e Dante de Oliveira[in memoriam].