Quinta-feira, 23 de Maio de 2024

POLÍTICA Quinta-feira, 24 de Novembro de 2022, 08:40 - A | A

Quinta-feira, 24 de Novembro de 2022, 08h:40 - A | A

AUDIÊNCIA NA AL

Moradores pressionam Prefeitura de Cuiabá por asfalto em 11 bairros; "assina prefeito"

Prefeitura não mandou representantes para discutir razões pelas quais obras de pavimentação ainda não foram iniciadas

O Bom da Notícia/ Com assesssoria

Aos gritos de “assina prefeito”, moradores de 11 bairros de Cuiabá participaram de uma audiência pública na Assembleia Legislativa de Mato Grosso, na noite desta quarta-feira (23.11), para debater as razões pelas quais esses bairros ainda não têm asfalto, apesar de as obras já terem sido licitadas.

A audiência foi convocada pelo deputado estadual Elizeu Nascimento e contou com a presença de líderes comunitários e moradores dos bairros Alto Boa Vista, Novo Tempo, Planalto, Jardim Aroeira, Parque Amperco, Campo Verde, Novo Horizonte, Novo Milênio, Tancredo Neves e Jardim Fortaleza.

As obras para pavimentação nestes bairros foram licitadas pelo Governo do Estado, mas ainda não receberam autorização por parte da Prefeitura de Cuiabá para ter início. A prefeitura não aceita a licitação realizada pelo Estado e alega que quer fazer um convênio para receber os recursos para executar as obras. De acordo com o Estado, o dinheiro para as obras está no caixa, esperando apenas a autorização da prefeitura.

O presidente em exercício do bairro Novo Milênio, Rosinei Alves de Oliveira, classificou a situação como desumana. “O dinheiro está no caixa, mas a obra não sai por capricho. Misericórdia prefeito”, afirmou.

O Governo de Mato Grosso foi representado pela superintendente de Pavimentação Urbana da Sinfra, Keith Prado, que apresentou o histórico da obra, explicando que a prefeitura apresentou o pedido para uma parceria e protocolou o termo de doação do projeto. Após cinco pedidos de adequações realizados pela Sinfra-MT, todos atendidos pela Prefeitura, o projeto foi aprovado.

Como a prefeitura estava negativada, sem certidões para firmar convênios com o Estado, o governador Mauro Mendes determinou que as obras fossem licitadas pela Sinfra-MT, para que a população não fosse prejudicada.

Após a realização da licitação, a Prefeitura alegou que precisava autorizar o processo e que as obras em dois bairros já teriam sido iniciadas com recursos da prefeitura. Desde agosto, a Sinfra-MT, já enviou três ofícios solicitando autorização da Prefeitura, mas não obteve resposta.

A prefeitura não enviou representantes para a audiência e a superintendente da Sinfra entregou ao deputado Elizeu Nascimento um documento para que o prefeito Emanuel Pinheiro assine a autorização e a obra tenha início.

O deputado Lúdio Cabral, presente na audiência, afirmou que diferenças políticas são normais, mas que não podem jamais prejudicar a vida das pessoas. “Se o problema é só essa assinatura, meu Deus do céu, vamos juntos atrás dessa assinatura”, afirmou.

O líder do bairro Jardim Aroeira, Uemerson Teodoro, disse que estava ali representando muitos moradores que morreram sem ter a oportunidade de ver o asfalto chegar. Moradora do Alto Boa Vista, Zenilde Coelho, conhecida como Dona Zê, lembrou que está na luta por asfalto há 25 anos. “São lutas eternas e não vencidas, 25 anos de esperanças perdidas. Nós queremos asfalto, uma condição melhor de vida. Porque nós merecemos”, afirmou.

Para o deputado Elizeu Nascimento, a indignação da população é justa, porque o recurso já está assegurado. “Precisamos fazer com que o prefeito assine esse documento”, disse. O deputado se comprometeu a pedir assinatura de todos os seus 23 colegas parlamentares e pediu aos presidentes de bairro que façam abaixo-assinados, para serem anexados ao requerimento, como forma de pressionar o prefeito.

Os vereadores da capital, Dilemário Alencar, Cezinha Nascimento e Demilson Nogueira, também se comprometeram a colher assinaturas dos 25 membros da Câmara de Cuiabá.

Um dos últimos a falar na audiência, o presidente do bairro Campo Verde da Esperança, Nélio Vagner, afirmou que os moradores estão dispostos a levar o papel até a prefeitura. “Somos 40 mil moradores nesses 11 bairros e vamos fazer o que for preciso, porque nós precisamos desse asfalto”, finalizou.