icon Domingo, 21 de Julho de 2019

CIDADES - A | + A

SEMANA SANTA 16.04.2019 | 09h:52

Procon Estadual dá dicas sobre compra de pescado

Por: Da Redação

Reprodução

Reprodução

Mato Grosso é, culturalmente, um grande consumidor de pescado de água doce. Com a Semana Santa, a demanda pelo produto é impulsionada e movimenta o segmento.

 

Como geralmente o produto é vendido in natura e fresco, a Secretaria Adjunta de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Procon-MT) alerta os consumidores sobre os cuidados que devem ser tomados na compra de pescados, principalmente nesta época do ano. Somente em Cuiabá, no ano passado, os comerciantes inscritos no programa Peixe Santo – realizado anualmente na capital – venderam 115 mil quilos de peixe na semana da Páscoa. 

 

Isso sem contar o comércio de pescado em supermercados e peixarias, que não participam no projeto. Para economizar dinheiro, tempo e não ter desperdício de alimento, é importante começar pelo planejamento. 

 

Leia também - MP afirma que não determinou cancelamento do projeto Peixe Santo

 

O Procon estadual aconselha realizar uma pesquisa de preços em feiras livres, pontos de vendas temporários, peixarias e supermercados e ir às compras com antecedência, pois de última hora os produtos tendem a ficar mais caros. Além disso, é preciso calcular a quantidade de alimento necessária e estipular um valor máximo a ser gasto, avaliando as prioridades. Quem não abre mão de ter peixe no cardápio está sempre atento no momento das compras. 

 

É o caso do ator cuiabano e publicitário Eduardo Butakka, que este ano representou Mato Grosso em um reality show de gastronomia com um menu à base de peixes de água doce, encontrados em Mato Grosso. A primeira dica do ator é procurar fornecedores que dispõem de mercadorias de qualidade. “O consumidor deve procurar, primeiramente, um bom fornecedor; peixarias com grande rotatividade do produto e que tenham tradição no mercado”, recomendou.

 

Também é importante estar atento às condições de armazenamento e higiene do local de venda do pescado. Analisar o ambiente e identificar eventuais irregularidades são essenciais na escolha um local seguro para realizar a compra. Butakka, que faz da cozinha um lazer, prefere comprar em peixarias especializadas.

 

“Mas de todo modo é preciso sempre checar a mercadoria”, alerta. “Estar atento ao peixe que é vendido cortado, à coloração, textura e densidade da carne. O congelamento em excesso altera essa textura. Perguntar quando foi a extração; o peixe do dia sempre é o mais indicado, para evitar que fique muito tempo congelado”.

 

A Coordenadoria de Educação para o Consumo do Procon-MT faz um alerta sobre a conservação do pescado. No caso do peixe fresco, deve estar em local refrigerado ou sob espessa camada de gelo. O ambiente deve estar limpo, livre de insetos, poeira, pedaços de plásticos, e o pescado não pode estar armazenado próximo a produtos químicos, como sabões e detergentes.

 

Se o pescado estiver inteiro, lembra Eduardo Butakka, o consumidor deve observar a coloração das escamas, pois elas ajudam a preservar as propriedades do peixe.  As escamas devem estar firmes, translúcidas e brilhantes. Já a pele deve ter bom aspecto, estar úmida, aderida, sem furos, cortes ou manchas.

Outra dica é verificar o globo ocular, pois quando o peixe está fresco a aparência dos olhos é mais viva e brilhante do que quando ele está congelado há algum tempo. “O congelamento altera as cores do peixe, deixando-o mais opaco”, finalizou Butakka.

 

Mas se o consumidor optar pelo peixe congelado, a dica do Procon é verificar se freezer do estabelecimento permanece ligado ininterruptamente. Ao observar sinais de descongelamento, a orientação é não comprar. Além disso, sempre verificar a data de validade e as orientações para a boa conservação do produto. Em casa, uma vez descongelado, o peixe não pode ser congelado novamente.

 

Para garantir um cardápio gostoso e saudável nesta Páscoa, confira outras dicas do Procon-MT:

 

COMÉRCIO E EMBALAGEM – Escolha um local com boas condições de higiene, limpeza e organização. Em feiras livres, peixarias ou supermercados, observe se estão acondicionados adequadamente. Nada de embalagens rasgadas, violadas, amassadas ou com sinais de contaminação. A embalagem deve indicar o nome do fabricante, endereço, selo do serviço de inspeção municipal, estadual ou federal. O atendente deve estar devidamente uniformizado e equipado com luvas, touca, máscara e roupas limpas.

 

SECOS E ENLATADOS  – Fique atento, pois muitos mercados anunciam como bacalhau todo tipo de peixe salgado seco! Observe as informações na embalagem do produto: tipo do peixe, fabricante, peso líquido, data da embalagem, prazo de validade e orientações de conservação e preparo e informação nutricional. O peixe seco deve estar firme e sem odor desagradável. A mesma dica do bacalhau vale para os enlatados, pois algumas marcas anunciam o produto como atum, quando na verdade são outros peixes.

 

SEUS DIREITOS – O direito à informação é fundamental na relação consumidor - fornecedor. Por isso, o fornecedor é obrigado a manter no estabelecimento comercial - ou feiras livres - a tabela de preços por quilograma. Os produtos devem estar dispostos de modo a não induzir o consumidor a erro. Caso o pescado esteja embalado, verifique se peso e preço são os mesmos nos caixas. Em caso de diferenciação, o consumidor pagará sempre o menor valor.

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

CONFIRA TAMBÉM NESTA SEÇÃO:































PROGRAMA TRIBUNA VEJA MAIS

O Bom da Notícia Programa Tribuna - 16/07/2019

INFORME PUBLICITÁRIO


INFORME PUBLICITÁRIO





icon COTAÇÕES MT
Soja Disponível R$/sc 57,00
Milho Disponível R$/sc 21,70
Algodão R$/@ 90,09
Boi a Vista R$/@ 135,00
Fonte: Imea







logo O bom da notícia

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte;

Copyright © 2018 - O Bom da Notícia - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet