icon Sexta-feira, 24 de Maio de 2019

POLÍTICA - A | + A

LICENCIAMENTO 26.04.2019 | 08h:26

Com amplo apoio, Senado aprova projeto para destravar grandes obras

Proposta relatada na Comissão de Meio Ambiente, pelo senador Wellington Fagundes, depende de aprovação da Câmara dos Deputados

Por: O Bom da Notícia

(Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado)

(Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado)

 

O aproveitamento de dados de licenciamentos ambientais anteriores no caso de empreendimentos ou atividades geograficamente próximas vai garantir transparência e agilidade para a realização de grandes empreendimentos. Essa é a opinião do senador Wellington Fagundes (PR) ao dar parecer favorável ao projeto de lei 458/2018, de autoria do senador José Serra (PSDB). O relatório foi aprovado em decisão terminativa na Comissão de Meio Ambiente e agora segue para apreciação da Câmara dos Deputados.

 

Uma das razões para a demora no licenciamento ambiental é a excessiva complexidade dos estudos ambientais, para os quais são exigidos diagnósticos complexos e pormenorizados. A cada novo pedido de licenciamento ambiental, mesmo que em uma mesma área geográfica, é exigido um novo estudo ambiental, que efetuará novos diagnósticos. Essa situação perdura muito em obras de infraestrutura.

 

Essa situação, segundo justificativa apresentada por Serra e corroborada por Fagundes em seu relatório, resulta em duas consequências práticas: o retrabalho e, por conseguinte, o desperdício de esforços ou a reprodução pouco crítica de informações já levantadas, em vista da economicidade” - frisou

 

Pela proposta aprovada, o aproveitamento de estudos ambientais de empreendimentos anteriores só será permitido desde que esses dados sejam compatíveis em termos de localização e adequados quanto a metodologia de coleta, esforço amostral e época de levantamento.

 

Segundo o senador republicano, o projeto aprovado na CMA garante não apenas a economicidade do licenciamento ambiental, por meio do aproveitamento de dados secundários, mas também “uma nova cultura da informação” e o fomento da criação de um banco de dados a alimentar o Sistema Nacional de Informações sobre o Meio Ambiente (Sinima). “Muitas vezes – ele enfatizou – o licenciamento ambiental fica mais caro que a própria obra, por exemplo, no setor aquaviário”.

 

A matéria também teve o apoio declarado do senador Jayme Campos (DEM-MT), que criticou “as amarras na questão ambiental do país”, e do senador Jean Paul Prates (PT-RN), que considerou o projeto como uma “medida de racionalização do processo de licenciamento no Brasil”. O presidente da CMA, senador Fabiano Contarato (Rede-ES), para quem é importante “entender a necessidade da preservação ambiental, mas com sustentabilidade”. (Com Assessoria)

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

CONFIRA TAMBÉM NESTA SEÇÃO:































logo O bom da notícia

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte;

Copyright © 2018 - O Bom da Notícia - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet