icon Terça-feira, 20 de Agosto de 2019

POLÍTICA - A | + A

QUEDA DE BRAÇO 19.07.2019 | 16h:48

Sintep aguarda formulação de proposta com MP para ser avaliada pelo governo

Por: Ana Adélia Jácomo

Mayke Toscano/Secom-MT

Mayke Toscano/Secom-MT

Os professores estaduais, que estão em greve há quase dois meses em Mato Grosso, aguardam a construção de uma nova proposta a ser avaliada pelo Governo do Estado que poderá pôr fim à paralisação na próxima semana. A expectativa da categoria é que com a intervenção do Ministério Público Estadual (MPE), as reivindicações sejam atendidas.

 

A categoria se reuniu nesta quinta-feira (18) na sede das Promotorias de Cuiabá, com o promotor Miguel Slhessarenko Júnior. Na reunião, o sindicato da categoria, Sintep, se mostrou irredutível com relação ao cumprimento LC 510/2013, que trata sobre aumento salarial, pagamento dos salários cortados durante o período de greve e além disso, o pagamento da RGA. 

 

No mesmo dia, o procurador-geral de Justiça de Mato Grosso, José Antônio Borges Pereira recebeu representantes do Sintep-MT, que afirmou considerar que “a greve não é boa para ninguém e que a interrupção das aulas traz prejuízos para as crianças e adolescentes, professores e toda a sociedade”.  

 

“O procurador-geral considerou a visita produtiva e afirmou que pedirá ao procurador de Justiça que acompanha a ação ajuizada pelo Sintep-MT cobrando o pagamento dos salários não pagos devido ao corte de ponto feito pelo Executivo, para que quando solicitado dê parecer no processo o mais breve possível. José Antônio Borges Pereira lembrou, contudo, que o colega tem total independência para se manifestar”, diz trecho de nota divulgada pela instituição.  

 

Em contrapartida, o governador Mauro Mendes vêm reafirmando que não pode conceder o aumento para não ultrapassar o teto estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), de 49%. 

 

“Se não houvesse intransigência do governo em negociar para uma tentativa de construção de proposta... Há truculência do corte de ponto, fonte de subsistência dos trabalhadores e trabalhadoras da educação. Uma prática arbitrária do governo já que os dias de greve se configuram em reposição de aula”. 

 

Mauro Mendes mantém a posição de que o Estado está impedido, legalmente, de conceder o aumento salarial dos profissionais da Educação Pública. Segundo o Governo, é essencial o retorno aos limites de gastos com pessoal de acordo com o que estabelece a Lei de Responsabilidade Fiscal, ou seja, 49%, para que seja possível que os reajustes possam ser novamente concedidos.

 

Atualmente o Estado está estourado em 59%. A categoria paralisou as aulas nas escolas estaduais em 27 de maio e, de lá pra cá, diversas reuniões foram realizadas com o Governo do Estado, mas nenhuma surtiu efeito suspensivo da paralisação.

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

LEIA MAIS SOBRE ESTE ASSUNTO

CONFIRA TAMBÉM NESTA SEÇÃO:































PROGRAMA TRIBUNA VEJA MAIS

O Bom da Notícia Programa Tribuna - 16/07/2019

INFORME PUBLICITÁRIO


INFORME PUBLICITÁRIO





icon COTAÇÕES MT
Soja Disponível R$/sc 57,00
Milho Disponível R$/sc 21,70
Boi a Vista R$/@ 135,00
Algodão R$/@ 90,09
Fonte: Imea







logo O bom da notícia

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte;

Copyright © 2018 - O Bom da Notícia - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet