Segunda-feira, 20 de Maio de 2024

AGRO & ECONOMIA Segunda-feira, 28 de Novembro de 2022, 12:33 - A | A

Segunda-feira, 28 de Novembro de 2022, 12h:33 - A | A

Vice-presidente do PT nega revisão na PEC de Transição

Economia

José Guimarães
LEONARDO PRADO/AG CAMARA - 19.12.2011

José Guimarães

O deputado José Guimarães (CE), vice-presidente nacional do PT, afirmou nesta segunda-feira (28) que a Proposta de Emenda à Constituição de Transição deve se manter sem alterações, ou seja, prevendo liberação de até R$ 195 bilhões. 

Os senadores Tasso Jereissati, Alessandro Vieira e José Serra apresentaram propostas alternativas ao texto desejado por integrantes do próximo governo, mas, segundo Guimarães, todas são insuficientes para cumprir as promessas de campanha e os "buracos" no Orçamento proposto pelo presidente Jair Bolsonaro.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG 

"Nós não vamos rever a ideia inicial da PEC. A nossa proposta será protocolada amanhã, pelo menos é o que foi acertado ontem à noite, encabeçada pelo relator do Orçamento, senador Marcelo Castro. Segundo, a proposta do senador cearense é insuficiente, mal dá para pagar o Bolsa Família", disse Guimarães, em entrevista à CBN. 

Segundo o deputado, a decisão foi tomada na noite deste domingo (27), com a presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann e o senador eleito Wellington Dias (PT-PI), indicado pelo presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva para negociar com o Congresso o Orçamento de 2023.

A PEC prevê o aumento do Bolsa Família de R$ 400 para R$ 600, além da retomara de investimentos em infraestrutura e da recomposição orçamentária de programas como o Farmácia Popular e o Minha Casa Minha Vida. Estes recursos seriam excluídos do teto de gastos, regra que limita o aumento de despesas ao crescimento da inflação. 

Lula está em Brasília para tentar destravar as negociações do texto, que deve ser apresentado pelo senador Marcelo Castro, relator da matéria, ainda nesta terça-feira (29), mesmo que não haja consenso.


Fonte: IG ECONOMIA