icon Segunda-feira, 14 de Junho de 2021

BRASIL & MUNDO Quarta-feira, 27 de Novembro de 2019, 20:40 - A | A

STF forma maioria para órgãos de inteligência compartilharem dados fiscais

IG Política

Plenário do STF arrow-options
Nelson Jr./SCO/STF
Julgamento sobre dados sigilosos será retomado nesta quinta (28)

O Supremo Tribunal Federal (STF) formou maioria nesta quarta-feira (27) para que órgãos de inteligência e controle, como Receita Federal , o antigo Coaf (atual UIF, Unidade de Inteligência Financeira) e o Banco Central , compartilhem dados fiscais sigilosos com o Ministério Público sem autorização judicial. Seis ministros já deram seus votos, mas os limites para esse entendimento ainda não foram definidos.

O julgamento foi suspenso e será retomada na tarde desta quinta-feira (28) e, embora os ministros admitam o compartilhamento, houve divergência entre o relator Dias Toffoli e os demais em relação aos dados da Receita Federal e do antigo Coaf.

Leia também: Toffoli vota por limitar compartilhamento de dados financeiros com MP

Na sessão desta quarta, os ministros Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber e Luiz Fux acompanharam o voto divergente do ministro Alexandre de Moraes. Moraes defende que todos os dados da Receita, incluindo extratos bancários, podem ser compartilhados com investigadores, sem restrições. O voto do ministro Dias Toffoli tem restrições a esse tipo de compartilhamento.

Leia também: Aras diz que Coaf enviou 972 relatórios espontaneamente ao Ministério Público 

Em relação ao antigo Coaf, todos os ministros que votaram até agora entendem que o compartilhamento é possível. Somente Dias Toffoli votou no sentido de não permitir que o Ministério Público requisite dados de quem não é investigado e envie por e-mail esses dados. Segundo o presidente do Supremo, esses dados não podem servir como prova judicial.



Fonte: IG Política


Imprimir

Comentários