Sexta-feira, 24 de Maio de 2024

CIDADES Domingo, 24 de Março de 2024, 15:55 - A | A

Domingo, 24 de Março de 2024, 15h:55 - A | A

TRABALHO INTRAMURO

Reeducandos confeccionam 50 mil uniformes para escolas militares

O Bom da Notícia/ com assessoria

Reeducandos de seis penitenciárias de Mato Grosso estão produzindo 50 mil uniformes para serem doados a estudantes de escolas estaduais. Serão contemplados alunos de baixa renda de 26 escolas da Polícia Militar e seis do Corpo de Bombeiros. Também serão beneficiadas 22 unidades prisionais, que receberão camisetas personalizadas das respectivas instituições educacionais que operam dentro do Sistema Prisional.

A confecção dos uniformes é realizada através de termo de cooperação entre a Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp), Fundação Nova Chance (Funac), e Secretaria de Estado de Educação (Seduc). Nas escolas militares, as camisetas serão utilizadas durante as aulas de educação física, enquanto no Sistema Prisional serão destinadas para as atividades em sala de aula. 

 

O secretário adjunto de Administração Penitenciária, Jean Gonçalvez, explica que a confecção é realizada por 100 reeducandos em regime fechado e ressalta a importância do trabalho intramuros no processo de ressocialização dos privados de liberdade. "O trabalho dentro das prisões ocupa o tempo dos detentos de maneira produtiva e também os capacita com habilidades profissionais que podem ser aplicadas após o reeducando ganhar liberdade", diz Gonçalvez.

O secretário de Estado de Educação, Alan Porto, enfatiza que essa ação, além de proporcionar aos estudantes de baixa renda de escolas militares o uniforme, também contribui para a ressocialização dos reeducandos, dando-lhes a oportunidade de aprender uma profissão e se reintegrar à sociedade de forma positiva. “Essa ação demonstra uma preocupação tanto com a qualidade do ensino e disciplina nas escolas militares, através da padronização dos uniformes, quanto com a inclusão social dos estudantes de baixa renda, que muitas vezes não teriam condições de adquirir os uniformes necessários. É uma iniciativa que beneficia a todos os envolvidos, promovendo a educação e a ressocialização de forma conjunta e eficaz”. 

A iniciativa também proporciona economia aos cofres públicos. Com uma licitação, o Governo do Estado pagaria R$ 29,50 na compra de cada camiseta, totalizando R$ 1,4 milhão. Já com custo de mão de obra pago aos reeducandos e aquisição dos materiais necessários para produção feita pela Funac, o custo por peça reduz para R$ 14,50, gerando economia de aproximadamente R$ 750 mil.

A fabricação dos uniformes está em fase final. Cerca de 20 mil camisetas já estão prontas e todas as 50 mil devem ser entregue às escolas em até 30 dias. Há uma expectativa de produzir mais 200 mil camisetas até o final deste ano. Para alcançar essa meta, mais reeducandos serão contratados e passarão por um curso. A coordenadora técnica do projeto, Giselma Ferreira Silva, pontua que após a qualificação, os reeducandos estarão aptos a produzirem camisetas de alta qualidade.

“O controle de qualidade é importante, não só para o consumidor, mas também para os recuperandos que estão apreendendo um trabalho de excelência. Ensinamos técnicas de acabamento de alta qualidade e manuseio de tecidos. Cultivamos a mentalidade voltada para qualidade do produto, beneficiando os consumidores e os profissionais envolvidos”.