Sábado, 20 de Julho de 2024

MULHER Terça-feira, 18 de Julho de 2023, 07:04 - A | A

Terça-feira, 18 de Julho de 2023, 07h:04 - A | A

Especialista em CNV ensina como iniciar uma conversa importante

Mulher

Especialista em conflitos e CNV ensina como iniciar uma conversa importante
FreePik

Especialista em conflitos e CNV ensina como iniciar uma conversa importante

Precisa falar algo, mas não sabe como? Pode ser difícil mesmo, sinal que o assunto importa para você. Tudo o que mexe e remexe e tira a nossa paz está sinalizando uma necessidade de transformação e de ser verbalizado.

Não ter a conversa e tentar fingir que essa questão não importa poderá piorar a situação para própria pessoa, inclusive engolir sapos, temas ou situações pode prejudicar a saúde mental e física, já está comprovado.

“O pior de não iniciar essas conversas pessoais, profundas e que tocam nas vulnerabilidades e medos, é não ter a conversa. Ao não exacerbar a temática, o indivíduo nunca poderá saber o resultado ou iniciar um processo de mudança, ainda que o desfecho não seja previsível”, explica Diana Bonar, facilitadora em Comunicação Não Violenta.

Segundo a especialista, alguns elementos são importantes para ter em mente. Entre os quais, é entender que o que torna uma conversa desafiadora é a imprevisibilidade que ela traz. Não saber a reação da outra pessoa, a sua mesma, os caminhos que ela pode percorrer e o resultado final. Tudo isso permeia o senso de segurança, estabilidade e previsibilidade das pessoas envolvidas, trazendo tensão, ansiedade, frustração e tristeza.

Para Diana, entrar em uma conversa deste tipo é importante saber lidar com o imprevisível da vida. E surfar as ondas de incômodo e do "não saber" que irão surgir no meio do caminho.

“É muito importante ter em mente, que não é sobre NÃO SENTIR ou NÃO INCOMODAR, mas desenvolver competências emocionais e comunicacionais para auxiliar o trato com esses momentos”, enfatiza.

De acordo com suas pesquisas literárias no assunto e sua própria experiencia de vida pessoal e profissionais ao longo de quase duas décadas, Diana apresenta algumas considerações antes de iniciar esse papo reto:

- Entenda : uma conversa sensível é sobre duas ou mais almas humanas. E envolve uma complexidade muito grande. Tenha afeto e zelo por você e pela outra pessoa. Como nos ensina Karl Yung "Quando tocar uma alma humana, seja apenas mais uma alma humana";

- Revele : logo de início, da sua forma, o valor que a relação teve/ou ainda tem para você. Mostre que enxerga a outra pessoa. Isso diminui a reatividade de quem lhe ouve e traz a pessoa para um campo de diálogo, e não de batalha;

- Mostre : a sua intenção e como você se sente com isso. Mesmo se não houver clareza, comunique o seu caos, confusão, insegurança;

- Sinta : se precisar chorar, chore. Deixe as emoções aparecerem e se dissiparem como uma respiração, que vai e vem. Represar fortes emoções não será o melhor caminho;

- Busque : comunicar suas necessidades. Revele o que é importante para VOCÊ, ainda que a outra pessoa rejeite ou não concorde. Você não poderá mentir para você mesma. Deixe quem você é aparecer, ainda que seja com imperfeições e falibilidade;

- Escute : escute. escute. Escute por trás da expressão corporal, escute por trás dos questionamentos, escute por trás das críticas e julgamentos. Permita que a outra pessoa também se revele, ainda que você não goste ou não concorde;

Antes de finalizar, a especialista em CNV, destaca que a conversa é como uma dança: possivelmente a questão abordada não se encerrará em um único ciclo de diálogo. A compreensão mútua é um processo.

Respeite os seus tempos e voltem a bailar. Se for necessário, interrompa ou saia da conversa. A raiva e a mágoa nos fazem dizer e fazer coisas cruéis. Não se permita agir assim, porque dará mais trabalho depois. Desejo que você respire nesta reflexão. Que supere o medo do imprevisível. Que acesse a sua vulnerabilidade”, encerra Diana Bonar.

Fonte: Mulher