Terça-feira, 16 de Julho de 2024

MULHER Domingo, 19 de Fevereiro de 2023, 07:04 - A | A

Domingo, 19 de Fevereiro de 2023, 07h:04 - A | A

Muita cólica não é normal: entenda os sintomas da endometriose

Mulher

Médica faz alerta para os sinais da endometriose
FreePik

Médica faz alerta para os sinais da endometriose

A endometriose afeta uma a cada dez mulheres no Brasil. Segundo a ginecologista Mariana Rodrigues, especialista no tratamento da doença, a endometriose é caracterizada pelo crescimento anormal do tecido endometrial em regiões localizadas fora da cavidade uterina. E um dos sintomas mais comuns da doença, as cólicas de forte intensidade e frequentes, também podem ser sentidas por mulheres que não possuem a doença. Então, como diferenciar uma cólica normal de algo que requer avaliação médica?

Entre no  canal do iG Delas no Telegram e fique por dentro de todas as notícias sobre beleza, moda, comportamento, sexo e muito mais! Mariana traz apontamentos sobre sintomas aos quais todas as mulheres devem ter atenção para garantir o diagnóstico correto da endometriose, caso seja o caso, para que o tratamento da doença seja iniciado o mais cedo possível. “Um dos problemas da endometriose é que existe uma cultura que ter cólica menstrual é normal, mas nem sempre é assim. A mulher que possui cólicas fortes, incapacitantes e progressivas, que em cada ciclo ficam mais intensas, deve atentar-se, pois esse é um dos principais sinais da endometriose”, explica Mariana Rodrigues. Além da alteração da cólica menstrual, existem outros problemas que devem ser observados, como sangramento nas fezes, massa abdominal palpável, alterações intestinais, dor para evacuar ou urinar, assim como dores durantes relações sexuais. Caso algum desses sintomas apareça, paralelamente às cólicas, é necessário que a mulher procure um especialista o mais rápido possível.

“Temos visto um aumento nos casos de endometriose, o que se deve, principalmente, a fatores externos como exposição a poluentes, agrotóxicos, estresse e falta de exercícios físicos, além do fato de as mulheres estarem preferindo engravidar mais tarde. Todas essas questões podem contribuir para o surgimento e desenvolvimento da doença”, avalia a ginecologista. Uma alimentação saudável, acompanhada de exercícios físicos e atividades de controle de estresse, contribui não apenas para o tratamento, mas também para a prevenção recidiva da endometriose. “Vale lembrar sobre a importância de se ter um acompanhamento médico para tratar a doença”, lembra Mariana.

Acompanhe também perfil geral do Portal iG no Telegram ! O tratamento da endometriose pode ser clínico ou cirúrgico. “Para alívio dos sintomas das mulheres que não desejam engravidar e que não têm indicação de cirurgia, fazemos bloqueio hormonal, para cessar a menstruação, orientamos uso de fitomedicamentos, vitaminas e dieta anti-inflamatória. E também temos orientado a prática de atividade física e a fisioterapia pélvica associada à acupuntura”, explica a especialista. Segundo Mariana Rodrigues, o tratamento deverá ser realizado ao longo de toda a vida da mulher, para acompanhamento e para evitar a progressão da doença.

Fonte: IG Mulher