Domingo, 23 de Junho de 2024

POLÍCIA Quinta-feira, 23 de Maio de 2024, 15:23 - A | A

Quinta-feira, 23 de Maio de 2024, 15h:23 - A | A

RONURO III

Operação apreende caminhão com madeira ilegal e indicia três por crime contra ambiental

O Bom da Notícia/com Assessoria

A Polícia Civil, por meio da Delegacia Especializada do Meio Ambiente (Dema). Deflagrou no sábado (18.05), a terceira fase a Operação Ronuro na cidade de Feliz Natal (536 km ao norte de Cuiabá), com objetivo de combater a organização criminosa instalada na cidade voltada para extração de madeira ilegal da Reserva Estação Ecológica Rio Ronuro. 

A ação resultou na prisão no indiciamento de três pessoas por crime ambiental, além da apreensão de caminhão carregado com toras de madeira. O grupo criminoso é investigado por destruir e danificar florestas nativas, plantadas ou vegetação em área de preservação.

Durante os trabalhos da operação, um homem foi preso em flagrante conduzindo um caminhão sem placa, onde eram transportadas nove toras de madeira, sendo três Itaúba e seis champagne. Questionado, o conduzido relatou estar prestando serviço ilegal para uma outra pessoa e que recebia o valor de R$ 400 por viagem. 

A madeira apreendida está avaliada em aproximadamente R$ 10 mil e depois de trabalhada pela madeireira poderia chegar ao valor de até R$ 300 mil. E o prejuízo para organização somou com apreensão do caminhão Wolkswagen 1519 avaliado em R$ 60 mil.

O motorista confessou ainda que já prestou o serviço outras vezes realizando transporte para diversas madeireiras. O autuado foi indiciado por transporte ilegal de madeira, adulteração veicular e conduzir veículo sem possuir CNH.

Investigações

Durante a investigação foi possível indiciar mais duas pessoas, sendo identificado o líder da organização, responsável por contratar as pessoas que realizavam o corte da madeira e outras para transporte da carga. O mesmo investigado também era responsável pela comercialização, controle da parte financeira de pagamentos e indicação das madeireiras onde seriam feitas as entregas. 

O líder da organização recebe auxílio de sua esposa trabalhando como batedor, utilizando um veículo descaracterizado que vai à frente da carga ilegal para informar a possibilidade de fiscalização.