Quarta-feira, 24 de Julho de 2024

POLÍTICA NACIONAL Quarta-feira, 17 de Maio de 2023, 20:05 - A | A

Quarta-feira, 17 de Maio de 2023, 20h:05 - A | A

Presidente do Podemos anuncia que vai recorrer contra perda de mandato de Dallagnol

Câmara dos Deputados

Presidente nacional do Podemos, a deputada Renata Abreu (SP) afirmou que vai recorrer da decisão do Tribunal Superior Eleitoral que resulta na perda de mandato do deputado Deltan Dallagnol (Pode-PR). “A gente sabe o absurdo que se acometeu no dia de ontem, uma decisão baseada na suposição de um processo administrativo que nunca existiu. Foi uma suposição”, disse.

O TSE considerou que Dallagnol pediu exoneração do Ministério Público para não ser alvo de processo administrativo, o que o tornaria inelegível. “É um precedente perigoso não apenas para o deputado Deltan Dallagnol, mas para todos nós”, disse Renata Abreu.

Primeiro de muitos
Durante a sessão do Plenário desta quarta-feira (17), muitos parlamentares saíram em defesa do deputado ao afirmar que ele pode ser o primeiro de outros que perderão o mandato. “Ontem, foi Daniel Silveira; hoje, foi Deltan Dallagnol; amanhã, quem sabe, será o senador Sérgio Moro. Eu pergunto: qual de nós será o próximo?”, disse o deputado Otoni de Paula (MDB-RJ).

O líder da Minoria, deputado Eduardo Bolsonaro (PL-SP), também criticou a decisão do TSE. “Está muito claro que existe uma escalada contra o Congresso Nacional e, por uma falta de uma posição clara deste Congresso, as vítimas vão continuar acontecendo”, alertou.

Já o líder da Oposição, deputado Carlos Jordy (PL-RJ), avaliou que os ministros do TSE avançaram a interpretação da Lei da Ficha Limpa ao cassar Dallagnol. “Não se esqueçam: vocês estão criando um monstro. Hoje estão aplaudindo, porque está acontecendo com alguém que é seu adversário, mas um dia isso chegará até vocês”, disse.

O deputado Diego Garcia (Republicanos-PR) afirmou que o TSE acolheu “delírios da esquerda”, enquanto o deputado Júlio Redecker (PSDB-RS) afirmou que a decisão é “gravíssima”.

Favoráveis ao TSE
O deputado Tadeu Veneri (PT-PR) rebateu os colegas. Para ele, não há perseguição política da Justiça Eleitoral. “Concordo que nunca é bom quando nós temos um deputado cassado, mas entendo que muitas vezes, a situação no TSE não é um caso de perseguição absoluta contra este ou aquele”, disse.

O deputado Reimont (PT-RJ) também afirmou que a Justiça Eleitoral agiu de acordo com a lei. “Não celebramos a derrota de ninguém, mas entendemos que a irresponsabilidade deste ex-Deputado causou, no nosso País, muitas mazelas e sequelas”, disse.

Já o deputado Paulo Guedes (PT-MG) afirmou que a decisão do TSE é a consequência de supostas ilegalidades cometidas durante a trajetória de Dallagnol no Ministério Público. “Ele não honrou nem o seu cargo de promotor!”, disse.

Reportagem - Carol Siqueira
Edição - Wilson Silveira

Fonte: Câmara dos Deputados